Pesquisando

Mostrando postagens com marcador nostalgia boa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador nostalgia boa. Mostrar todas as postagens

domingo, 26 de abril de 2015

como eu conheci a Bruna

Já pegando o embalo para a primeira postagem das 20 coisas para se escrever quando estiver em um bloqueio de escrita, bora então falar de uma pessoa que que tem o mesmo nome que eu xDDD

Write about what it was like when you first met your best friend.
Escreva sobre como foi que você encontrou sua melhor amiga pela primeira vez.

Oh well...
Era 1994, tinha acabado de mudar pro vilarejo brejeiro de Betinópolis, ainda carregada com o sotaque de manézinha da Ilha, sem entender porque pessoas seguravam minha mão, me abraçavam efusivamente e me tratavam como se fosse velha amiga delas.

Foi um choque cultural beeeeeeeeeeem demorado de se acostumar.

Estudava na 4ª série, com um sistema educacional totalmente diferente e a professora era uma senhorinha chamada Vânia (Sim, a mesma Vaninha da biblioteca!) que fez o possível para que eu me mantesse calada durante o tempo de aula e não fizesse bagunça por culpa do meu ligeiro probleminha de terminar tudo antes e pentelhar os outros.

Apesar de tentar enturmar com a turminha de meninas do voleibol e handebol, acabei grudada numa criaturinha loira, alta, de rosto redondo e risada alta. Único detalhe que me era estranho: ela era crente. Saião, cabelo enorme, roupas sóbrias, nada de TV em casa, não visitava amigos, no máximo fazer trabalho na escola. Supervisão maternal o tempo todo.

A mocinha tinha o mesmo nome que o meu e como uma boa aquariana orgulhosa de seu espaço, ela odiou isso hehehehehehehehehe... A Bruna A. se tornou uma companhia constante devido a proximidade no nome da chamada e por ter gostos peculiares sobre sacanear os outros - igualmente a minha pessoa, preferíamos fazer piada sem graça e rir de paródias musicais inventadas no teclado dela e minha voz esganiçada. Éramos as palhaças da turma, literalmente.

A afeição cresceu quando soube de como era a vida dela em casa - e ela soube como era a minha - imediatamente minha mãe superprotetora a adotou como filhinha do meio e por muito tempo ela passava lá em casa sem ter estranheza em ouví-la chamar minha mãe de mãe e eu de irmã.

Eu tinha 9, ela 11. A gente se entendia como podia. Muita coisa que ela sabia, eu nem passava perto, muita coisa que eu sabia ela bicava aos poucos. Nossos temperamentos sempre foram diferentes, nossos gostos musicais meio parecidos, mas a Bruninha era totalmente o oposto do que vejo em afinidade com alguém. Essa foi a base da amizade for real e bem, ela sempre foi minha melhor amiga.

A gente brigava mais por coisas bobas externas, por gente que tentava entrar na amizade, por ela ser mais velha, por eu ser mais nova. Foi ela a primeira pessoa que percebeu que era um problema eu dormir demais (Ela me cutucava nas aulas ou simplesmente jogava alguma coisa em mim), que eu falei que era lésbica, não media palavras pra me dizer o que sentia e de vez em quando (Assim raramente) deixávamos a fachada de "okay, somos birutas" e falávamos de coisa séria como relacionamentos, medos, certezas, vontades e etc. Spice Girls, Madonna, Fatboy Slim, muito da minha playlist recheada de pop e música eletrônica veio das tardes com ela.



Em 1999 a gente ficou mais uma perto da outra por termos mudado de escola, eu a via pouco durante a semana, mas os fim-de-semana eram praticamente dentro do quarto dela vendo MTV, ouvindo funk trash nas rádios clandestinas de Betinópolis, vendo Castelo Rá-tim-bum ou alugando filmes de comédia besta. Virou um ritual básico dela ir no Dia das Mães lá em casa, ficar com a gente no Natal e no Ano Novo.

A impressão que tive quando a vi pela primeira vez?

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

recapitulação de infância - beijinho

Post com reminiscências a seguir.

Eu sonho demais com o lugar onde morei por cerca de 5 anos durante minha infância. Apesar de não ser um lugar em que tenho as lembranças frescas - muita coisa se mistura com relatos de mãe, irmã, confusões infantis minhas e por aí vai - mas realmente a casinha de madeira no meio da Tiago da Fonseca era e sempre vai ser meu endereço favorito.

[TL;DR - Tão avisados! É um daqueles posts de divagação que só vão me servir para lembrar onde morei na infância caso algum dia eu perca a memória ou algo do tipo]

quarta-feira, 4 de junho de 2014

dia nostálgico

1 década pode ser:
315.619.200 segundos.
5.260.320 minutos.
87.672 horas.
3653 dias.
521 semanas.

Não que eu estivesse contando, mas cada dia parece que dura mais que uma Era do Sol.


sábado, 14 de janeiro de 2012

Nostalgia dos meus 7 anos - Ace of Base

Quando eu tinha uns 7 anos eu ainda morava em Capoeiras, na rua Thiago da Fonseca, sabia escrever meu nome, soltar pipa, sabia a escalação do time do Botafogo todo, sabia o placar de medalhas das Olimpíadas de Atlanta (1992) e tinha uma irmã 6 anos mais velha que só escutava poperô – ou Eurodance como é chamada.

Todo mundo na rua era mais velho que eu, sem exceção, então eu meio que era a sombra da minha irmã por um tempo. Ela escutava muito Ace of Base, muito mesmo, escrevia o nome da banda em tudo quanto era lugar e vandalizou um guarda-roupa que sobreviveu por muito tempo com corretivo e estilete e o nome da banda e outras. Eu lembro disso perfeitamente. Da música tuntuntuntiz que era o tempo todo, de não entender parcialmente o inglês, mas saber que no LP tinha a tradução.

O LP era esse aí – Happy Nation de 1992 – srsly business entrou no Guinness Book como um dos LP’s mais vendidos na história fonográfica e fazia parte da rotina lá de casa, mesmo que eu não prestasse atenção naquela época – eu preferia prestar mais atenção em Ursinhos Gummy e Tv Colosso tá?

Então resgatando a Discografia vinda na última viagem a casa de minha irmã, lembrei de cada coisa anexada ao grupo sueco que agora posso afirmar que tenho memórias de infância incluindo meus 7 anos, Ace of Base era uma delas. Acho que a primeira música ouvida foi Happy Nation mesmo e a Jovem Pan era craque em colocar a música trocentas vezes para tocar até a exaustão, All that she wants que cantei a letra sem saber naaaaaada do que se tratava por pura força do memoramento infantil, Wheel of Fortune – que eu nem lembrava que existia, mas olha só!

A minha favorita é Beautiful Life pela letrinha chimfrim, mas que eu cantava muito bem aos 7 anos para alguém que mal sabia falar português direito xDDD