Pesquisando

quarta-feira, 27 de março de 2013

Estratégias para o Dia Z – Pernas, pra quê te quero!


[esse artigo foi originalmente postado no site walkingdeadbr.com com o título Estratégias para o Dia Z - Pernas, pra quê te quero, 18 de fevereiro de 2012 - texto integral]
Como vai os walkers dessa noite? Tudo na medida do possível? Tudo certo em suas vidas rotineiras? E o que acontece se o Apocalipse Zumbi decidiu vir mais cedo e te acertou em cheio? Como proceder? O que providenciar? Entrar em pânico e correr como louco pelas ruas? Trancar-se em casa e manter sua família a salvo do potencial ataque de zumbis? Se entregar as legiões famintas seria menos doloroso que sobreviver em um mundo anárquico e dominado pelos mortos-vivos?
A nova coluna Manual de Sobrevivência WDBR vai para você, amigo, que já traça seus planos de estratégia, fuga, sobrevivência e reconstrução quando o Apocalipse Zumbi chegar batendo na sua porta – bem, não necessariamente batendo, mas com certeza vai fazer um barulho danado, além de grunhidos característicos.
Os textos da coluna irão tratar de algumas idéias, impressões e soluções adaptadas, calculadas e inusitadas, com uma perspectiva mais voltada para nossa Realidade – Brasil, situação econômica/financeira, risco de contaminação, classe média, ambiente urbano e outras estatísticas – quando o dia fatídico em que a Humanidade será varrida da Terra e ser substituída por mortos-vivos rastejantes.
Manual de Sobrevivência WDBR apresenta orgulhosamente:Estratégias para o Dia Z – Pernas, pra quê te quero!


As opiniões aqui tratadas são únicamente da autora, sendo a Equipe WDBR isenta de responsabilidade de qualquer ofensa, drama, má interpretação ou qualquer coisa que se refere ao site. Não, não levem tão a sério enquanto o Dia Z não acontece, certo? Aviso dado? Aviso dado, então vamos lá, pessoal…
Quando você lê sobre Sobrevivência ao Apocalipse Zumbi em muitos sites dedicados ao assunto, ou o incrível livro “The Zombie Survival Guide” de Max Brooks, sente aquele incômodo de muitas das regrinhas base não estarem realmente adaptadas para seu cotidiano? Algumas regras são tão americanizadas que fica difícil de ver a possibilidade de uma sobrevivência bem sucedida sem uma .45 na mão, espingarda de grosso calibre nas costas, um pente de balas, um carro blindado e/ou motocicleta maneira e muita disposição.
Os fatos: Somos brasileiros, mal pagos, sem acesso a maioria de serviços e objetos necessários descritos nos manuais por aí. Muitos não dirigem, não sabem cozinhar, não pagam as contas de nossas casas, nem sabe o que é plantar um feijãozinho no algodão e muito menos tem habilidades com uma arma de fogo ou pouco provável ser um ninja nas artes marciais. Se isso é um problema? Claro que não! Seremos 99% dos sobreviventes que NUNCA tiveram treinamento militar para se manter nesse tipo de situação, mas se a perseverança e a esperteza são calculadas na medida, tudo dará certo! O máximo que pode acontecer é você virar o jantar de outro zumbi.
Para os cidadãos urbanos extremamente entranhados na Cultura Ocidental e que não sabem nem como operar uma torradeira – como eu – temos motivos o bastante para nos mantermos bem longe de armas de fogo, carros blindados, mapas, maquinaria de fazenda, cuidar de agricultura e animais de porte. Mas como sobreviver a um ataque zumbi sem armas e todas essas coisas? Para que armas, se termos PERNAS?
Incontáveis vezes vemos nos filmes/games/seriados que correr é a melhor solução quando se está cercado por zumbis. Medida drástica é atirar ou usar a força contra eles. Como nosso querido Glenn, o entregador de pizza de The Walking Dead, correr e se esconder são as melhores formas de sair vivo na maioria das vezes. O xerife Rick Grimes que o diga no episódio 2 da 1ª temporada quando ficou encurralado nas ruas de Atlanta com seu cavalinho, se não fosse um plano de escape bem traçado e uma corrida rápida para o beco onde Glenn estava, ele estaria para todo sempre ali dentro do tanque de guerra.
Então torça muito, se formos sortudos o bastante, os zumbis aqui do Brasil não irão correr para te pegar!
Mas correr para sempre não será uma opção, o corpo humano não suporta muitos minutos de corrida – a não ser que você seja um velocista que pratica há anos – e estar atento ao seu redor e saudável para a tarefa são essenciais para sobreviver em um mundo de caos. Como se preparar para a maratona diária, então?
Alguns cuidados básicos a se tomar quando se está preparado para correr em situações de Apocalipse Zumbi:
  • Conheça bem o terreno – Conhecer sua cidade e rotas de fuga Interestaduais é sempre aconselhável mesmo não estando em estado de alerta. O Google Maps ajuda um bocado nisso, traçando destinos diversos com poucos cliques do mouse. Vá lá, digite o nome de sua cidade e tenha uma bela viagem virtual com o Street View! Visitar fisicamente esses lugares também é de extrema importância para que depois você saiba muito bem para onde ir quando o caos vir, além de reconhecer locais de acesso para suprimentos e esconderijos.

  • Nada de corridas longas e sem sentido – Tenha um destino já traçado (Se você souber a geografia do local, use-a como aliada, mapas são importantes aqui), saber para onde você está indo evita de se perder no caminho, correr demais faz você perder o fôlego mais rápido, logo se cansar mais rápido, logo virar isca para zumbi.

  • Nada de corridas com acrobacias – Obstáculos no caminho irão ter, carros, escombros, cadáveres, cercas, móveis e etc, desviar desses empecilhos você deve, mas nada de se aventurar como um praticante de Le Parkour. Sem treinamento apropriado (O que inclui se aquecer, alongar e praticar alguns minutos por dia) você pode distender um músculo, se ferir desnecessariamente, atrair mais zumbis com o barulho. Se você conhece o caminho e seus obstáculos, melhor ainda, use-os quando for necessário contra os zumbis, fechando portas, derrubando estantes no caminho, subindo em morros e em escadas quando houver possibilidade.

  • Mantenha seus olhos abertos e ouvidos atentos – Correr de uma horda de zumbis é perigoso, pior é encontrar outro grupo errante no meio do caminho. Ter conhecimento dos caminhos alternativos para se seguir é essencial. Se não houver caminho alternativo ou estiver perdido, vá para o próximo item e planeje sua fuga por onde você entrou.

  • Pare para descansar – Se o percurso for grande (Uma rua inteira, uma avenida, etc) lugares parcialmente seguros podem ser encontrados nas cidades como o alto de carros altos (caminhões, utilitários), escadarias de incêndio de alguns prédios, muros de fácil acesso em uma escalada curta. Lembre-se os zumbis não têm mobilidade suficiente para escalarem, mas tome muito cuidado ao descer e escolher uma boa rota de fuga – tanto para não se machucar, quanto para não ser pego desprevenido. Evite lugares fechados e com poucas saídas, você está fugindo se lembra? Ser surpreendido e ficar sem opção é dar vantagem para eles.

  • Vestuário apropriado – Correr não é nada fácil, estar de tênis seria o apropriado para isso, mas se você for pego de surpresa, tente remediar. 
  • # Sapatos: Dê preferências a sapatos e tênis de solado baixo. Salto-alto? Mocassim, sapato social com solado de madeira? Nem pensar. Tire e corre a pé mesmo, na oportunidade arranje qualquer sapato de solado baixo que encontrar (Isso pode envolver o roubo de calçados de um corpo). Correr com os pés descalços pode te ferir de alguma forma (estilhaços de vidro, escombros, queimaduras de asfalto). 
  • # Roupas: Livre-se de qualquer coisa que atrapalhe sua corrida, roupas pesadas como casacos, toucas, saias longas (Corte-as na linha do joelho e se preocupe com regras sociais depois!) , além de te fazerem transpirar mais, há a possibilidade de zumbis te agarrarem pelo tecido que sobra como os gorros de casacos, e pano das saias.
  • # Cabelos: É, isso mesmo! Tem os cabelos grandes, lindos e volumosos ou lisos? Prende logo em um coque e bem amarrado! Zumbis podem te agarrar pelos cabelos e você nem ver, as madeixas amarradas evita esse tipo de incidente, além do incômodo de ficar tirando as mechas do rosto.

  • Reidratação: Água potável ou aqueles famosos isotônicos com gosto de suco de fruta (Não citarei nomes.). Evite refrigerantes (Te deixa com a sensação de estufamento estomacal – gases) e nada de bebidas quentes (chá não hidrata, café muitos menos, leite e chocolate também não). Seu corpo precisa repor os líquidos que perdeu na corrida e bebidas geladas e/ou em temperatura ambiente são ideais para isso. Sem comentários para bebidas alcoólicas, afinal de contas você quer escapar dos zumbis ou correr para os braços descarnados deles?
Chegou ao local seguro são e salvo? Descanse, se reidrate e alongue-se novamente para relaxar os músculos do esforço, mude de roupas, troque de calçados e se possível deixe os pés de molho em água ou pano úmido. Lembre-se que seus pés te sustentam o dia todo sem reclamarem, agora ser obrigado a correr todos os dias é muito trabalho pra aguentar. Roupas suadas e/ou molhadas podem te prejudicar na próxima corrida. Se você tem acesso a outras, descarte-as e/ou deixe-as a secar. Como nosso país é devidamente quente, corte seus cabelos se puder para não transpirar demais e economizar shampoo, não é?
Não estamos mais no Miss Universo, mas sim no Apocalipse Zumbi.
Conteúdo adaptado e reinterpretado das instruções dadas no livro: “O Guia de Sobrevivência a Zumbis” – BROOKS, Max – Ed. Three Rivers Press, 2003 – ISBN 1-4000-4962-8 – Tradução de Amanda Orlando e Gabriela Fróes e Distribuído pela Editora Rocco.