Pesquisando

Mostrando postagens com marcador o bode. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador o bode. Mostrar todas as postagens

sábado, 31 de março de 2018

manuais e lagartas e outras coisas

Fonte: Créditos We Heart It StripedJumper
Pensamentos nada bons para a integridade física de nosso corpo são como pequenas lagartas fingindo que algum dia vão virar borboletas bem lindas e afrontosas.
(E meu pavor por borboletas não é a toa, pode apostar)

Em certo estado de depressão elas podem ficar mais ativas e persistentes e insistentes e altamente barulhentas. Quando a âncora pra se segurar nesse mar revolto não ajuda em nada, acabar escutando essas borboletas malditas pode causar consequências bem feias.

Pra quem já lidou com isso sabe muito bem que se torna sufocante qualquer coisa que se possa fazer para sair dessa com pelo menos um fiapo de dignidade. Problema é saber quando as lagartas estão planejando virar borboletas com suas asas coloridinhas e todo aquele jazz de "Hey, olha quanto essa ideia de voar, como parece legal".

Caso não entenderam a alegoria, tou falando de suicídio. E volta e meia as ideias-lagartas voltam como se foram. É um círculo vicioso infernal em esperar não ter ideias sobre, para isso levar a ter e quando ter, já ter o plano para parar de ter.

Se junta com ansiedade e outros monstrinhos empurrados garganta abaixo durante anos, pode apostar, as lagartas estarão lá como uma praga infestando qualquer lugar.

Durante o ano de 2016 foi de ler os 2 manuais do Narcóticos Anônimos e do Alcoólicos Anônimos. Mesmo sendo direcionado para uma forma de autoajuda documentada para uso geral, achei pertinente quanto a insistência de considerar os pensamentos suicidas como um tipo de vício. E são. Porque quando eles começam a surgir, nutrir cada um deles parece mais prazeroso do que sair do buraco e tentar ser um pouco feliz.

O processo se forma quase no mesmo patamar, desde de alimentar uma dependência fodida por algo que será prejudicial ao seu corpo e mente e como o tempo faz com que se torne cada vez pior se livrar dela. O desejo inconstante de se autodestruir, seja por meio de agente físico, também segue um paralelo ferrado em nutrir um vício em pensamentos suicidas.

Não falo com propriedade alguma, mas a forma de coping que encontrei foi de lembrar sempre o que aqueles 2 manuais diziam sobre a intrusão e insistência de pensamentos assim.

Ah, mas fácil falar! E como se escapa desse círculo vicioso? 
Aí que chamam de pulo do gato, porque há anos tento descobrir um jeito de escapar disso com poucas vitórias em não chegar a um ponto de pedir arrego e admitir que tem coisa errada.
(E demora, como demora admitir que não se tem mais controle sobre a própria vida)

Não somos totalmente conscientes de nossa parte tumultuada, e essa parte é que contém alto teor de violência e autodepreciação. Essa última aí vem sendo abafada por minhas escolhas profissionais e acadêmicas, até então correndo de forma linear e sem tantas surpresas, mas a emoção mais errada do cardápio? Sim, essa fica na superfície, esperando um belo momento de aparecer.

E não vai, porque aí entra o círculo vicioso da autodestruição e do medo, principalmente. Não é o medo de machucar, é o de doer. E dor é algo evito o máximo possível. Egocentrismo, mas infalível. Apenas esperando doer para entrar no looping infinito de não querer sentir nada, sentir algo, sentir tudo, sentir nada, e por aí vai.

Ajudar alguém nesse estado também é um desafio quando você mesmo não sabe o que fazer consigo próprio. Em um impulso de carinho há a possibilidade de acertar na medida e fazer a pessoa esquecer um pouco daquilo que fode a equação, mas todos sabemos que a dor não vai embora assim. É pra isso que há especialistas, há gente capacitada para dar assistência.

Fui aprender essa lição silenciosa de maneira bem dolorosa com a destruição de muitas coisas na vida, a confiança foi uma delas (a que sinto mais falta em momentos ruins) e tem outras que não prefiro comentar. Encarar essa condição como vício tem sido minha forma de lidar com mais calma pra ficar menos tensa, mais focada, receptiva a uma melhora, ou como dizem "ser normal", seja lá o que isso seja.

Tá cheio de lugar-comum nesse texto né? Mas é necessário para fixação de conceitos e quando sua mente passa 24 horas caraminholando coisas que supostamente não deveriam para ter uma qualidade de vida suportável = mecanismos de coping.

===[para ler]===

Para ler o manual do grupo internacional Narcóticos Anônimos na íntegra [clique aqui] - 231 páginas.
A versão do Alcoólicos Anônimos é parecida com a do N.A., mesmos princípios, algumas modificações de conteúdo.
E na pesquisa para linkar os manuais, encontro o CoDA - CoDependentes Anônimos, vale a pena dar uma lida no manual deles também [clique aqui]. Esse manual é baseado nos 12 passos, mas para uma questão pertinente sobre codependência.
(Detalhe a literatura dada pelos 2 grupos é restrita e apenas membros podem conseguir os exemplares pagando uma taxa. Oh well...)

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

interlúdio - controle de danos

Eis uma rotina que vem atormentando periodicamente. Não é de hoje, nem de meses atrás, é de anos e anos tentando ser âncora pra navio que já afundou há Eras. 

"Mas vamoquevamo.", disseram. 

Primeiro lembrete do dia: paradoxos. 

Onde havia energia e motivação, apenas decepção e cansaço. Não precisa olhar no espelho, só checar o livro de cabeceira, algo aí da graduação que tanto empolgava. 

Não empolga mais. 
Nem faz muita diferença agora. 
Virou o que chamam de "mais outro ponto da lista de afazeres". 
Pede entredentes que não vire obrigação. Porque quando vira obrigação tudo fica bem mais insuportável do que costumava ser. Obrigação parece coisa de quem vai fazer algo sem sentido algum, servindo de bucha de canhão, fazendo papel de cão do sistema, sentado em algum lugar, atrás do balcão sem fazer coisa alguma. Aquele estereótipo de sempre que enojava. 

Agora tá ali, pensando se não seria melhor ser como muitos e apenas sentar atrás do balcão e ser um cão do sistema. Parece sedutor agora que não há motivação para absolutamente nada. Parece plausível com o sistema de tira e bota, do rentável ao imprestável. Prestativo não rendeu muita coisa, só dor de cabeça. 
E costas. 
E pulmões. 
E pernas. 
E coração. 

Pra quê então? 

Minutos se estendem pra sair da cama. Muito mais que o necessário. Hoje era para resolver coisas importantes, pois as coisas importantes serão o futuro daqui uns poucos meses, mas não há vontade de sair de cama ou às vezes da casa.

Hoje, pelo jeito, é dia de não querer sair de casa. 

Mas aí é preciso alimentar os gatos! 
Um deles arranhando a porta do quarto, o outro discreto, miando baixo perto da porta. 
Além dos gatos, se alimentar, manter o mínimo de vontade para fazer algumas coisas. Aquelas coisas importantes que precisam ser resolvidas. Aí vê o sofá e os gatos no sofá, e senta, os companheiros felinos entendem alguma coisa, pulam no colo, pedem carinho, arranham perna. Machuca, dói. Aparar as unhas dos dois quando der tempo. 

Que tempo? Tem tempo de sobra! 
Tá tudo bem hoje, hoje pode não ser dia de sair de casa, mas talvez de fazer a faxina, embalar suas coisas, lavar as roupas, dar comida aos gatos, verificar as caixinhas, não entrar em pânico, tem ainda muita ração e areia novinha. 

Que dia que conseguiu sair da cama pra comprar isso? 
Não lembra bem. 

Do sofá olha em volta e vê que não há ponto de fazer absolutamente nada. Porque pela lógica seguida é dessas tarefas, não há o que fazer, já que não há motivo grande para fazer algo mais. Posso deixar para amanhã pelo jeito. Ou não. Não sei mais.

Oh comer! Sim! 
E abrir a geladeira e ver a pia entulhada de trecos, e cozinhar. 
Cozinhar. 

Aí vem a parte perigosa do dia. 
Porque na cozinha há coisas e na cabeça há outras. Distração é uma delas, entre o ponto de deixar algo queimar ou de esquecer de esquentar algo. E as coisas da cabeça às vezes alertam sobre outras coisas que podem acontecer se não tiver mais cuidado com o que pensa, porque na cozinha há coisas. 
(afiadas, pontiagudas, quentes demais, um acidente pode parecer convidativo quando o dia...) 

Aí vem as mensagens. 
Alguém que importa. Alguém importante. 
Bons dias, bons dias, tudos bens, tudos bens, tá tudo legal? Tá tudo legal. Agora tá. Parece estar bem, agora, nesse momento. Aí o dia parece legal pra poder fazer algo. Comer um pouco, fazer a lista de que tem que fazer, pegar a oportunidade pra ir e ir! Senão da porta não passa. 

E é estranho.
Porque sair por aquela porta era fácil antes. Era só ter a rotina, o vale-transporte, o banho tomado, os gatos alimentados e tudo limpinho e abrir a porta. 

Abrir a porta demora mais que se levantar de manhã. Às vezes, mais que dias para abrir a porta. 

Ficar em casa também não é algo incrível, é suportável, como daquela vez em que sair da conchinha consumiu tanto que fui obrigado a pedir arrego e procurar ajuda de especialista. Só que nem tudo dura pra sempre. Por exemplo, antes havia listas de prioridades, o que fazer, com o que gastar, quem pagar, onde não comprar, como fazer quando tudo for pro ralo. Agora parece suportável, daqui a pouco não mais. Deve ter algo na geladeira para comer, sem cozinhar, esquentar talvez, nada de se aproximar de coisas da cozinha e não deixar as coisas da cabeça virem a superfície. 

É um acordo legal. 
Não de bacana, mas de legalidade. 
Afinal de contas, é a sanidade aqui que está em jogo.

No jogo também se distrai. A distração é permitida. Ou algum tempo de distração, tem que fazer as coisas importantes, não é? Mas hoje é dia de ficar em casa! Não abrir a porta! Não precisa cozinhar! Manter o mínimo, controle de danos, controle de danos. 

Danos. 
Não teve nenhum até agora. 
Agora tá tudo bem. 
Até agora. 
Até hoje. 
Hoje tá indo.
Amanhã não sei.
Controle de danos.
Não dá pra pensar em amanhã e ser que nem hoje.

Outra mensagem, alguém liga. Alguém importante. 
Tá tudo bem aí? 
Tá, agora.

Paradoxos.
Daqui a pouco não estará.
Fica no sofá ou vai pra cama?
E se for pra cama e não acordar mais?
Quem vai alimentar os gatos?

Então amanhã vai ser diferente.
Não como hoje.
Sem paradoxos.
Com controle de danos.
Amanhã vai estar tudo bem, melhor que hoje.
Tudo bem.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

A apatia nossa de cada dia


Lembro desse momento em que chorar, gritar, demonstrar sofrimento ou angústia não costumava surtir efeito pra alguma resposta lógica para o turbilhão de coisas bizarras acontecendo dentro da cabeça: a apatia pareceu ser uma companheira bacana de se manter por perto. 

Até porque se você não demonstra nada, logo não há como usarem suas emoções contra você, certo? O famoso gaslighting que sofremos quando a sociedade nos lê como corpos femininos frágeis e passíveis de estragos irreparáveis. As pessoas mais fortes que já conheci nessa vida eram mulheres (identificadas com o gênero feminino) e todas não demonstravam suas fraquezas como forma de barganha (como muitos acham que pessoas com algum tipo de problema psicológico faz). Ao contrário, escondiam porque sabiam que seriam julgadas automaticamente pelo tribunal de causas realmente mínimas

O de ficar em silêncio por muito tempo contribuiu para a afeição com a apatia, era nesse espaço em que conseguia colocar as ideias em ordem na cabeça. Só não esperava que a depressão pudesse transformar ela em catatonia. Por mais calmo e quietinho que esteja aqui, a minha vida interior (que definitivamente pode ser colocada como uma outra existência além da exterior, ou todo mundo é 100% honesto com o que realmente é dentro e fora?) é bem alta e ensurdecedora às vezes. Lembram de Roller Coaster Tycoon? Aquele game de construir parques de diversões com trocentas coisas ao mesmo tempo acontecendo e sons advertindo o que precisava ser feito/consertado? 

É mais ou menos assim em dias normais...


É por isso que não paro de pensar em coisas pra fazer. 
É por isso que quando paro de fazer isso, o barulho aqui fica sufocado como se colocassem um pote de vidro de conserva em cima da minha cabeça (o pote precisa ser grande, tá?). Nada entra, nada sai. Muita coisa vem filtrada ao extremo, pouca coisa vou reter até normalizar. 
Esses são os dias ruins. 

E esses estão ficando comuns de uns tempos pra cá, com tanta bagunça a ser colocada no lugar, prioridades mudando e saúde se tornando algo no topo da lista de "coisas que realmente me importam nessa vida". Ter tato com as pessoas ou dar a mínima para vida alheia não estão mais nessa lista e definitivamente ter disposição de compreender o que raios tá acontecendo foi uma que risquei no começo do ano. E a tia apatia (rimou) ajuda nisso mais que pensava. 

Mais um gift do Moz pra demonstrar o blasé anos 80 nos esquema?! Bora!


quinta-feira, 27 de julho de 2017

O que fica pra trás


Quando a gente desiste de ser trouxa, muita coisa fica pra trás, umas que dava pra conservar, mas que por precaução vamos manter bem dormentes e trancafiadas pra não cair na mesma trouxice. Outras a gente deixa porque senão endoida o cabeçote. 


Debaixo do link, catarse.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

conselhos valiosos

Recebi os seguintes conselhos nessas 2 últimas semanas. Valiosos, só para constar:

1 - seja mais filha da puta.
2 - tem coisa que só você vai conseguir se levantar sozinha.
3 - você precisa pedir ajuda quando precisa pedir ajuda.

São meia noite e dezesseis de uma segundona, após domingo esquisito e surreal. Triste por assim dizer, foi um vazio oco bem no meio do estômago com uma ligeira sensação de dor no baço. E com esses 3 conselhos ecoando nas caraminholas, bora filosofar.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

[interlúdio] as pequenas ofensas diárias

Tem os altos e baixos
Tem os altos e baixos
Tem os altos volumes dentro da cabeça, girando ao redor dos ouvidos, até quando estou ouvindo música no último volume, porque é preciso se distrair do que ouvir a autosabotagem esperneando com o bode balindo na perna

Tem os baixos quando os ombros não aguentam muito tempo e as costas vão curvando e o pescoço vai corcovando, o semblante franzindo, o olhar desfocando e tem mais baixo do que alto

Quando deveria ter mais altos que baixos
É uma questão de aguentar o tranco

Aí as pequenas ofensas diárias
Vai tudo pro tribunal das causas realmente pequenas
Aquele júri que fica calado, tenso
Esperando a próxima testemunha botar a mão no livro
Jurar que vai falar a verdade somente a verdade e nada mais que a verdade
Tem os baixos e os altos

Os altos e baixos
Queria um lugar no meio pra me encaixar normalmente nessas parada
Não é só de categoria que tou falando
É de estar enquadrada em algum lugar
Não no alto
Ou no baixo.
Nos altos e nos baixos

Por Odin de saias nunca desce nunca sobe
Os altos e baixos

Aí as pequenas ofensas diárias
Aquela palavrinha bendita
Direcionada a esmo
(nem tão a esmo, tem autoflagelação aí)
Atravessa o ar como um silvo
Tiro certeiro em quem não precisa ouvir
(precisa, não precisa, precisa? Fui bem fui mal fui rude fui benevolente fui alto fui baixo os altos e baixos)

No alto dá pra sacar que não precisava
Ninguém realmente precisa tomar a dor dos outros
Mas tem os baixos, que tá ali só esperando
Os silvos, os tiros, as pedras, as ofensas veladas
Os altos os baixos os altos essaporranuncavaiparardeoscilar

Aí vem as pequenas ofensas diárias
Para de comer
Se nega
Se esquece
Não tem vontade
Nos altos e baixos
Chega a ser um castigo pro pouco prazer que pode obter
Nos altos e baixos

Tou exagerando demais
Tou sendo preguiçosa demais
Tou empolgada demais
Tou fora da casinha demais
Tou fugindo demais
Tou me escondendo demais
Tou prestando atenção de menos
Tou sendo menos amigue Tou sendo menos rude
Tou sendo menos acessível
Tou menos online
Nos altos nos baixos
Tou demais tou de menos
Odin de saias, preciso de um diagnóstico? Categorizar parece mais fácil
Mais fácil mais dificil
Mais fácil de lidar
Mais difícil de entender
Mais fácil de arranjar uma medicação
Mais difícil se se manter equilibrade
Mais fácil de se desculpar por omissão
Mais difícil de se encontrar na bagunça
Nos altos e baixos

Queria poder entender logo o que é
Aqui do alto (onde estou hoje)
No baixo que vai ser (quando acordar amanhã)

Aí as pequenas ofensas diárias
Vai separando nesse abismo de palavras vomitadas
Unindo todo a a mágoa não processada
Junta, separa, junta, separa
Odin de saias esse binarismo que me mata Todos os dias no alto no baixo
Quando tou no alto
Quando tou cavando pra baixo

As pequenas ofensas diárias
Tribunal das causas realmente pequenas que não dá um veredito
Queria poder... No encaixe
Ou o meio
No alto e no baixo
No meio me encaixo
Será que fui rude demais
Será que me empolgo demais
Será que devo ser menos
Nos altos e nos baixos

quarta-feira, 1 de março de 2017

operação carnaval 2017 - parte 2

Queria ter feito uma trilogia, mas não deu tempo e lugar para fazer. 5 dias de feriado, 5 dias brigando com o Major Tom (PC capenga famigerado aqui) a voltar a funcionar. 

Primeira tarefa: ver se ele continuava a funcionar mesmo com a fonte ferrada - mal contato de fios e o cabo que não encaixava de jeito nenhum. Solução: Muita fita isolante, superbonder3000 e chinelo com solado de borracha (Porque ser eletrocutade pelo meu próprio PC não está na minha lista de mortes possíveis e imagináveis).

Segunda tarefa: ver o que o UBUNTU tava dando de errado. Apesar de ser mais rápido e responder melhor aos comandos, ele não instalava nenhum programa que eu queria nem a pau. Foi nessa:
  • AMD/ATI Catalyst: ferrou com a configuração de resolução de tela por 2 dias.
  • Battle.net: Porque O CRACK NÃO SAIU DA MINHA VIDA e eu precisava urgentemente jogar Diablo III
  • Diablo III: não instalou, nem quis pegar direito. FUI PRO CRACK E FUNCIONOU!! VADE RETRO! Aí desinstalei e pronto, o momento de deslize foi de poucos minutos.
Com as configurações de vídeo ferradas, não dava para ver vídeos, logo perdi o episódio de segunda de Supergirl (Tive que assistir no celular de madrugada e não pegar spoiler no Tumblr), não dava pra entrar no Youtube porque o FlashPlayer dava biziu, não dava para fazer NADA absolutamente. Logo veio a ideiazinha de jerico: tentar bootar com Windows 7 e ver no que acontecia.

Aí mais 1 dia de passar tudo que tava no Ubuntu para HD lerdo e minha paciência virou pudim, as bad vibe já estavam pressionando também, então resolvi descansar o corpo e cérebro por umas horas. Como hora-extra em Morfeu resulta em alguns contratempos, foi:
  • Pesadelos bem vívidos
  • Cansaço extremo de drenagem energética
  • Recusar a sair da cama até mesmo em situações em que o corpo pedia
  • All the fucking angst? Yep, teve o pacote todo de "como se sentir a pior criatura na face da Terra sem precisar muito esforço para isso". Patada nas fuça da Bete enquanto dormia me fez lembrar que preciso me manter em pé pra ir pro outro dia.
  • Pessoas felizes na timeline!!
  • Dormir babando no teclado às 03h, acordar do nada às 06h e pouca e passar o resto do dia fazendo exercícios para não capotar no sofá (Polichinelo funciona realmente)
No terceiro dia, começou a enxurrada de demandas para se fazer com um computador funcionando. Mais pressão, mais pensamentos nada bons, menos vontade de sair da cama, aí entre um cochilo nada tranquilo vem aquela lâmpadazinha bacana de alumiação! Bootei a powha do Windows, esperei pacientemente o Seven fazer update, já tasquei opção de migrar pro 10 na hora. Mais meio dia nessa, até madrugada estar com tudo preparado para a pior parte: achar os drivers.

Por mais técnico que tenha sido, com erros no percalço e vontade de ter uma DR *arrepios* com o dito computador, devo extrair uma lição desse feriado prolongado: paciência é preciosa nessas horas de mindfuck bode amarrado na perna.

Pra melhorar a situação?
  • Muita gatoterapia
  • Comer menos carne, me concentrar nos legumes
  • Ouvir o Blackstar na imersão da obra, não do fato da situação ali envolvida na feitura do álbum


domingo, 26 de fevereiro de 2017

operação carnaval 2017 parte 1


Era para ser um dia legal, mas...

Debaixo do link tem ideias Wanderleicas, confusões com um bode chatonildo e como vou suportar ficar nesse feriado sem pirar.

E adoro esse gif da Nazaré confusa, mas sem as fórmulas matemáticas...

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Interlúdio - Rememorando o memorando

Antes de fazer a retrospectiva linda do blog pra esse ano f*****, vai o último interlúdio do ano.

Coloca aí na lista, seu dotô!
"Como você pode estar em depressão se você tem tudo o que quer?"
"Você é só uma menina mimada que não sabe o que quer e fica reclamando à toa"
"Você só está assim porque decidiu se afastar de mim"
"Você estaria mais feliz se tentasse ser normal"
"Monstro"
"Dissimulada"
"Prepotente"
"Preguiçosa"
"Só está triste hoje, daqui a pouco melhora"
"Não posso segurar a sua mão, porque as pessoas não iriam gostar disso"
"Gosto de você, mas você não é o suficiente. Tenta melhorar"
"Fria e calculista, egoísta incapaz de amar alguém direito"

E ao pesquisar direito sobre as pessoas que têm problemas parecidos com os meus, há uma constância bem bem chatinha ali no gráfico: relacionamento abusivo.

Ou atitudes expressadas em situações adversas que caracterizam a desnecessária força de vontade de algumas pessoas em me lembrar que não presto pra muita coisa, mas hey! Pras poucas coisas que me garanto sem humildade alguma, sou demais. Sou melhor que o esperado. Eu faço diferença.
É nessas poucas coisas que me asseguro a manter a Sanidade.
(E hail Cthulhu!)

Nelas que vou me manter, porque é nelas que faço coisas muito boas não só pra mim, pra quem está ao meu redor. Relacionamentos abusivos e amizades beirando o possessivo me ensinaram que quebrar regras que ninguém gosta de dialogar, ter curiosidade, ser pró-ative não é um defeito, é uma arma pra aguentar o tranco depois.

Estar ou conviver com alguém encaixado nesse arquétipo e estar em um estado alarmante de depressão pode ser uma combinação muito ruim. Dá m****, sério. Algumas pessoas que amamos/gostamos/afeiçoamos conseguem ser tóxicas quando ultrapassam a linha entre o "Quero cuidar de você" com "Quero você numa redoma" ou "Espero você disponível o tempo todo, porque preciso de muletas". Essa linha costumava enroscar no meu pescoço a adolescência toda, com alguém muito possessivo e rancoroso cuidando de mim (e eu tentando ser a melhor pessoa do mundo pra dar certeza a pessoa que ela não precisava surtar quando eu queria ser como as outras meninas - e aqui trato no passado, quando a heteronormatividade me fazia acreditar que ser uma menina normal, comum, típica da família tradicional era bom, era seguro, não ia magoar ninguém, ia ser até divertido #SqN). Eu gritava pros cadernos, nos estudos, no violão. Era a única forma de escape. Continua sendo.

Ali alguns pensamentos muito ruins iam se mesclando aos poucos aos pensamentos bons. Talvez eu não fizesse muita diferença entre as pessoas em que vivia, talvez a dor de não conseguir me expressar devidamente passasse, talvez não tava certo para amadurecer de vez. A oportunidade jamais viria. Amigos ciumentos, amores tão imaturos quanto eu, familiares em negação. Isso tudo enche a cabeça de caraminholas... Vai dando a impressão que aquela tabela de autossuficiência não vai subir nunca.

A depressão (bode amarrado na perna) é um dos fatores que mais ocasionam óbitos autoinfligidos (é como alguns especialistas intitulam pomposamente no eufemismo científico o suicídio), fazendo com que muitas das rotinas de prevenção e contenção precisem ser firmes e disciplinadas.

É como viver numa gaiola aberta, porque cismou que suas asas não funcionam mais. Incrível que com esse estado - aqui minha teoria do que me acomete em dias horrendos, é um estado, não um "ser depressivo" - vem oportunidades únicas. Aí que reside a vontade de ultrapassar as limitações e fazer por onde, mas autossabotagem é uma das coisas que mais me perturbam no processo.

Estar com o bode sintonizado para alguns pensamentos desastrosos faz parte, evitar que eles se tornem planos ou esquemas intricados de execução também é um esforço danado. Mas graças a ironia do destino, a letargia que nos acomete a cometer coisa alguma acaba frustrando o caminho entre pensar e fazer. É um lugar muito tênue de se definir.

Nessas horas que tem que ficar mais atento a vida é aos arredores: nada de alimentar os monstrinho alojados na cachola e muito menos deixar que comam sua vontade de viver, se afastar de algumas pessoas é preciso para autopreservação. O desequilíbrio energético começa quando você serve de muleta para outrém. E acreditem, ficar de muletas é um saco: machuca as mãos, os ombros doem, tenho esse incomodo em um músculo das costas que me fisga até hoje por passar muito tempo na muleta literal. A muleta metafórica faz o mesmo com quem está se apoiando firmemente nessa coisa, não entendo o porquê de certas pessoas cismarem em usar muletas por mais tempo que o devido.

As coisas mudaram desde então, muita coisa mudou muito desde lá. Não há motivos para se sujeitar mais a comportamentos destrutivos, não faz coisas quando não quer fazer, limita-se o repertório de charminho para ocasiões raras, se aceita como é, se torna esse trem que batizei como "aquele pedaço da letra de Rebel, Rebel"Entender que isso, todo esse aperto, não é parâmetro para ritualizar tortura psicológica - por conta da percepção errônea de alguém não esclarecido, de mente fechada e incapaz de sororidade - não é necessariamente a verdade para se tornar cânone. Na verdade não existe verdade alguma. E mesmo quando se vai questionar a verdade, vai ter o questionamento de se questionar tal coisa. Deixa no embrulho pra presente e toca a vida. Desapego.

Percebi que com o desapego muitos dos demônios ululantes nos meus ombros meio que pararam de pular e viraram números estatísticos. Yep, eu reduzo meus inimigos internos através de números matemáticos - posso saber ler os sinais e signos (linguísticos, não... ah deu pra entender!), mas não farei esforço algum em compreendê-los. E as estatísticas nunca mentem e costumam só me causar dor de cabeça quando há comparação de dados. Então, estatisticamente falando, não fui a única idiota em me relacionar com pessoas que mais me tiraram o sossego e sair pedindo arrego pro Pinel. É, bem assim mesmo no teor mais tenebroso da capacidade humana de fazer o outro sofrer e se automutilar psiquicamente por erros que não cometeu. É bom sair do micro e apelar pro macro. É bom entender que há certas coisas na vida que precisam ser feitas para serem revistas. Desa-fucking-pego.

Vai tentar conversar com alguém que esteve em relacionamento abusivo e não sabe que esteve, ou tá chegando a essa conclusão? É o que ando fazendo - ou as pessoas aparecem aleatoriamente, acho o máximo Universo mandando uns sinais bem assim estampados na cara - e graças aos deuses que me protegem, as estatísticas que tanto me incomodam, agora me confortam, dão uma saída da porta de ferro, sólida e enferrujada na qual estava me trancando quando era pra reunir confiança e vontade de ser feliz de novo.
(Singularmente chamada de conchinha do Gary)

Rememorando o memorando de 2015: desapego loading 99%.
Se até  o final do ano chegar aos 100% consegui me livrar de metade dos meus problemas.
(Aaaaaaand economizar o dinheiro que pago em terapia).

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

as cargas d'agua


Para constar, não tenho um coração gelado, ele só deixou de funcionar faz um tempo. Às vezes bate mais forte por uma coisa ou outra, mas volta ao ritmo normal (quase nulo, apenas bombeando sangue para onde deve suprir o corpo) quase que instantaneamente após o estímulo cessar.

É isso que o bode amarrado na perna causa em algumas pessoas. A apatia evidente costuma se manifestar em um conjunto de ações automáticas e repetitivas pra se dar a ilusão de que se está se mexendo, movendo, saindo da inércia. Mas os momentos de silêncio, os minutinhos de conversa interior, a indiferença que se instala após muito tempo, alguma coisa que atiça o bode a balir, aí sim, a apatia vem de com força.

Tenho impulsos destrutivos também. Acontece. Os pensamentos negativos e a análise exaustiva de situações que não vão ser resolvidas pela minha pessoa também é uma forma ferrada de me destruir.
Nutrir rancor e afagar mágoas antigas também me destrói também. Mas nada é mais eficaz que esse instinto imaturo e primitivo de torcer pro carma chegar bem rápido, tanto em mim (sim, eu peço pra ser punide quando reconheço que fiz algo errado, o que sempre acontece na maior parte da minha vida) quando nos outros.

E ai desse sentimento quase irresistível de ver alguém que me magoou, ferrou psicologicamente, prejudicou estar em situação parecida ou pior.

Admitir isso é horrível quando se tenta levar a vida no de bowie-ismo, porque de acordo com a lei e lógica de raciocínio e filosofia que sigo é de manter o Equilíbrio é mais importante que alimentar esse monstro.  Ouvi essa semana algo que me fez perceber esse meu lado destrutivo se manifestando e trazendo danos pro meu lado. O carma funcionando em sua alta performance, quiriduns.

Quando uma ideia se fixa por conta de uma lembrança ou imagem visual (que costuma ser o meu ponto de rememorar entonces mais ativo), vou querer dissecar o porquê. Mas literalmente destrinchar a situação é ideia toda, até deixá-las expostas em suas carcaças e apontar por A + B que em tal ponto eu fui inteiramente culpade daquilo e onde termina meu fardo. É ali que se desenvolve um serzinho miserável que por muito tempo achei que era meu auxiliar em escolhas nada convencionais na vida, mas que depois de disseca-lo descobri que é a maldita chama que Prometeu roubou lá naquele mito: insolência com qualquer tipo de lei que exista.

Os impulsos destrutivos começam nesse padrão, eu consigo, eu posso, eu tenho capacidade, eu aguento, eu faço, eu eu eu eu... E o bode amarrado na perna bale: "Ah é modafóca? Faz agora enquanto eu encho teu repertório com milhares de coisas pra se arrepender, dezenas de coisas para querer desistir de tudo e poucas coisinhas, bem minúsculas pra se lembrar que vale a pena acordar todas as manhãs."



Porque tem dias que não quero nem sair da cama, não dar satisfação a ninguém, me enterrar em algum buraco imaginário dentro do meu cérebro e ficar lá até meu corpo começar a gritar que precisa de fazer as coisas normais da vida. Tem dias que não quero ir pro estágio, ir à aula, desistir de qualquer interação social que me enfiei para provar a mim mesma e ao serzinho miserável que eu era mais forte e capaz de coisas legais. Tem dias que quero dar umas sacudidas em pessoas que considero e amo e dizer em alto e bom som: deixa de ser trouxa e vai viver a vida. Tem dias em que desejo terrivelmente que quem me fez chegar a esse ponto (inclusive eu mesme) tenha um castigo bem lento e deplorável. Piriri por 1 semana, perder o paladar, ser admoestado/passe vergonha publicamente, ter seu coração jogado no lixo, por aí vai. Minha imaginação é fértil para punições que não ameacem a integridade física, mas oh posso dar listas de como deixar impressões e lembranças amargas.

Mas aí vem a lei do carma e ela é infalível. Ter esses impulsos de pensamentos ruins me traz consequências, me faz perceber bem rápido o quanto não posso me deixar levar pelo balido do bode. Equilíbrio é o ponto chave da existência, manchar essa dádiva com rancor não me traz felicidade, apenas sofrimento. Óbvio.

A música e o trabalho (Ou estar produzindo algo como escrever nesse blog) me aliviam bastante dessa situação, estar perto da praia também, sexo também se provou ser um ótimo remédio (olá química e fisiologia básica? Ocitocina, adrenalina e serotonina?), por enquanto. Se a fórmula vai funcionar pro resto da minha vida de escriba, aí nem quero pensar muito não.

Algumas pessoas já me recomendaram praticar esportes, socar coisas (não coisas vivas), fazer academia, tomar remédio, parar de ser fresca, ter mais Deus na minha vida, parar de complicar tanto.
 
Vivendo um dia de cada vez. 
Eliminando um pensamento negativo a cada minuto. 
Tentando não completar o círculo vicioso da destruição.














segunda-feira, 1 de agosto de 2016

aquele lembrete discursivo


Quem convive diariamente com a depressão (Ou como eu chamo: bode, por conta do trem lá do teatro grego, o tal do trasgo) sabe que mensurar as palavras é uma tarefa bem bem difícil. Às vezes os altos são marcados com explosões de humor que podem ferir quem está por perto e os baixos são caracterizados por silêncios horrendos de se livrar. Por mais que seja tentador seguir um dos caminhos, creio que a lição de se cuidar muito bem com que você fala é um passo para melhorar e voltar a ser uma pessoa sociável.

Problema é que quem está por perto não entende bem quando os altos e baixos acontecem e o porquê acontecerem assim sem aviso. Ter comunicação com quem cuida da gente ou demonstra que se importa é algo que é bom manter, conforme dá (o bode também dá uns migué de que você não precisa avisar, porque ninguém vai te ajudar, te levar a sério, vai entender e tudo mais), se não der, tudo bem, não precisa forçar, ok? Apenas tenha a ciência de que pelo menos alguém pode te ajudar, te escutar, te levar a sério - tente respirar com mais calma e perceber nessa pessoa, vai que está ali do lado e o bode deixou uma neblina tão densa que ficou difícil de enxergar.