Pesquisando

Mostrando postagens com marcador madame fabulária. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador madame fabulária. Mostrar todas as postagens

domingo, 5 de novembro de 2017

[conto com angie] a loja de quinquilharias de Madame Fabulária parte 1

Título: a loja de quinquilharias de Madame Fabulária (por BRMorgan)
Cenário: Projeto Feérico.
Classificação: PG-13.
Tamanho: 5.974 palavras.
Status: Incompleta - PARTE 1 - PARTE 2 - PARTE 3.
Disclaimer: Esse conto faz parte de algum rascunho perdido meu do Projeto Feérico que vocês podem ver os pedaços sendo costurados aqui nesse post [x] - sim, vai ter três partes e CROSSOVER! (Porque metade dos esquema já tá rascunhado)
Personagens: Angie, Madame Fabulária, Raine, Prince, Smithens, Nakitsumoto, Tobby, Emílio.
Resumo: A lendária Loja de Quinquilharias de Madame Fabulária finalmente aportou na metrópole onde os caçadores de quimera vivem. Junto com as esplendorosas maravilhas que o loja pode trazer para os habitantes feéricos, há também certa tensão sobre quais intenções da enigmática e antiga dona do lugar. A regra geral da Loja é: somente entra quem Madame Fabulária quer que entre.



===
Entrar na Loja de Quinquilharias de Madame Fabulária era um segredo para poucos.
A Feérica milenar não deixava qualquer um ultrapassar o solado entre o último degrau da escadinha para o porão de um prédio qualquer da Metrópole. E os poucos escolhidos que entravam ali eram afortunados por algo que nenhum outro local na grande cidadela poderia oferecer: glamour dos tempos antigos, produtos exóticos, artefatos lendários de imenso poder ou apenas de enfeite.

Madame Fabulária era uma lenda entre os mais velhos, até entre os mais sábios lembravam em como ela havia chegado ali naquela mesma cidade, sem nenhum plano ou apresentação formal a hierarquia. Encontrou o porão de prédio ocupado por um empório de um turco falido, decidiu casar com o cara e pronto, se instalou como a "Madame que tudo sabia".

Poucos discordavam com essa versão da história. 
Era difícil ter uma versão verídica de como os Feéricos mais antigos chegavam na Metrópole justamente por não haver registros escritos na principal Casa dos Saberes sobre o assunto. Tirar essa história da pessoa em si era mais extenuante ainda (Se não, perigoso demais.).

A Madame continuava a mesma de quando chegou. 
Baixinha, um pouco curva no lado esquerdo do ombro, olhinhos puxados com aquele resquício de desconfiança da idade, cabelos volumosos de cor vermelho rúbio que jamais saíam do tom. As roupas traziam uma mescla de sua descendência feérica das terras desérticas e os exóticos apetrechos da cultura do oriente dos Filhos-mais-novos. Ela não escondia seu orgulho por pertencer a ambas culturas e por muitas vezes entrou em brigas políticas devido suas opiniões mais fortes nos Conselhos. Por ter esse privilégio adquirido por anos de experiência, Madame Fabulária sempre dava a última palavra em tudo que acontecia dentro de sua loja (Em outros lugares também, mas poucos comentavam). 

E os preços também. 
Devido a esse pequeno detalhe que fez Ângela Filha dos Ventos entrar pela primeira vez na Loja com passos apressados, apontar para algo na vitrine empoeirada e cheia de teias de aranha e exclamar com voz esganiçada:

- Tia, tá maluca de cobrar três mil pila por sementes de girassol flamejante?! - a reação da senhora atrás do balcão, lixando as unhas impecáveis e contando moedas douradas foi de desprezo fingido. Ela nunca havia visto aquela menina na sua longa vida e muito menos dado permissão para ela pisar dentro da loja. Essa era a regra primordial: somente entra quem Madame Fabulária quer que entre. A menina era a exceção. Por que depois de tanto tempo naquele lugar a regra criara uma exceção?