Pesquisando

Mostrando postagens com marcador games. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador games. Mostrar todas as postagens

domingo, 19 de novembro de 2017

a imaginação alimentada - parte 1

A essa fase do jogo da vida (No hardcore) aconteceram 2 coisas emblemáticas para eu me dar conta do que tou fazendo tanto no curso quanto da minha vida de escriba: aulas incríveis com uma pessoa incrível que está me dando ideias mais incríveis ainda (Hellow! Projeto em andamento yoooohooo!), AND estagiar em um laboratório com uma pegada tipo makerspace.

Uma coisa vai ligando na outra, pois me exigem muita, mas muita abstração e sair da caixinha (~le effing caixinha que quase me moldei uns tempos atrás), como por exemplo voltar a montar Lego e jogar games que supostamente EU NÃO DEVERIA voltar a jogar.
(Mas a mente vazia é oficina para ideia errada de Wanderlei, então...)

A mente precisa de estímulos, sério.
Tem gente que encontra isso vendo Tv, fazendo terapia, praticando algum esporte, lendo um bom livro, mas aqui estou, mais de meia noite de uma sexta esperando o server de WoW voltar e catando pecinhas na caixa de Lego que consegui levar da casa de minha mãe (A hipster economista/contábil que adora me zoar...). Por quê? Por quê fazer isso no final do semestre, geeeeeezuis?!

Muito simples: a mente precisa de estímulos, e desde quiança viada em que me entendo, leitura (de todos os tipos, inclusive a musical), games e blocos de montar foram meus principais estímulos para quase tudo, inclusive alfabetização letrada e socialização empática com os outros.

Estávamos a discutir no laboratório awesome sobre como somos alfabetizados e como não lembramos de parte desse processo - o que para surpresa parece virar mecânico no subconsciente e não um processo de aprendizagem. Espero muito que a galera de agora esteja revertendo esse quadro.

Debaixo do link, uma relação entre memórias de alfabetização, blocos de montar, games, imersão e imaginação.

sábado, 21 de julho de 2012

Diablo 3 - Considerações sobre o Ato I.


Okay, eu me rendo. Me deixei levar pelas emoções ontem e passei boa parte da madrugada fungando por essa cena pro Ato II de Diablo 3.



TL;DR se você não se interessar por coisas fangirlísticas de Diablo 3, pule essa postagem. Se sim, pode até estar interessado(a) por uma confissão de adolescente gamer sobre o jogo,continue, sente-se e escute um bocadim...

Quem me apresentou o Universo Santuário foi o incrível Arkakan com o Diablo 2 para PC - joguei uma vez para Playstation e blergh! - e me senti devidamente explorada intelectualmente no jogo. #1 porque era todo em inglês, sem tradução, #2 porque mesmo nos diálogos era um bocado difícil de compreender só ouvindo. Uma tradução de fã não oficial com erros terríveis de ortografia (Não costumo reclamar, mas era hilário ler as traduções à la programas de tradução simultânea) me serviu como base para certas situações.
(Nota: A parte de Kurast Docks, ato 3? JAMAIS ENTENDEREI!)

Não sei ao certo ano, mas lembro do primo Ark ir para a escola e eu voltar tremendo canelinhas para jogar com meu Necromancer nada perfeito no Ato I no Rogue Encampment. Sim, tremer, porque minha fobia por zumbis era tanta que ouvir os mobs de low level chegando e gemendo lamuriosamente era fonte pra ter pesadelos de noite.

E era lindo, tudo lindo! Os gráficos avançados para um top de linha Pentium 4, os efeitos sonoros, a trilha? Eu só sabia colocar a trilha no último volume e deixar o restante bem baixinho para não perder a misticidade da música lúgubre de Diablo 2. Você clicava e matava! OMG! Clicava com botão contrário e saía magia! E keybinds? Gente, colocar magias e itens nas barrinhas e numerá-las e poder usar quando apertasse o tal botão/número? Isso pra mim foi a revolução...

sábado, 14 de janeiro de 2012

American McGee's Alice - PC Game

Baixou ontem, joguei cerca de meia hora hoje – até morrer indiscriminadamente por conta de gosminha verde que tira seu life – e yeaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah!!

American Mcgee’s Alice é coisa linda de… ahn… seilá, Nimb talvez? Uma versão psicótica e cogumelada com pitadas de humor sarcástico e menininhas com facões de açougueiro e aventaizinhos sujinhos de sanguinho? A storyline é totalmente macabra e inventiva, horas e horas de frustração divertida, com aquela trilha sonora perturbadora de fundo.

Dizem as ratings que é horror, quando enfiei a faca no primeiro guarda-carta foi realmente, como dizer? "Experiência Raccoon City", sangue por todo lado, mas os cenários são espetaculares, muitos mazes e caramba amei a voz do Cherise Cat perturbado e que dá conselhos nada convencionais – ele já deu algum conselho benevolente ALGUMA vez?!

O game é de 2000, mas a Eletronic Arts está preparando as prateleiras com a continuação a altura do intrigante universo feito pelo cara McGee.




E quem quer jogar, mas precisa ser rápido, bora botar torrents pra funcionar:
ISOHUNTTHE PIRATE BAY - MONOVA - TORRENT PORTAL - SUMO TORRENT - BTMON
Versão Beta executável no Baixaki.

Daemon Tools? É, essa porcaria aí sim que não montou meu DVD do Silent Hill 2 Director’s Cut direito ¬¬” Mas funfou com a Alice \o/ \o/ \o/