Pesquisando

Mostrando postagens com marcador bibliotecas escolares. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador bibliotecas escolares. Mostrar todas as postagens

sábado, 9 de setembro de 2017

[bibliotequices] fichas catalográficas da salvação (ou não)

Descobri um jeito de voltar no tempo, exatos vinte anos.

Decido então voltar aquela biblioteca enfurnada de livro didático, escura e cheia de livros que provavelmente nos próximos anos irei ler.

E voltei.
Como é que vou explicar pro meu eu de onze anos como uma biblioteca é organizada, qual é a importância dela pra minha vida futura e de muitos e que Dewey é um piiiiiii?

Simples! O próprio livro que tou lendo!
Vai ser esse aqui do Edgarzinho, porque ler O Gato Preto aos 10 anos de idade deixou um trauma lindo de se cultivar, inclusive a constituição desse ser que vos fala.

O diálogo imaginário de um futuro distante em que máquinas do tempo sejam capazes de realizar tal proeza:

- Hey, eu-de-11-anos, como você procura o que quer ler?
- Eu pego o primeiro livro que tá na prateleira que alcanço com a minha altura.
- E você sabe se é esse livro mesmo que vai gostar de ler?
- Não bocó, preciso ler o trem primeiro, né? (Eu era folgada assim mesmo aos 11)
- Mas como você sabe antes que é esse?
- Pela capa.
- Só isso?
- Eu abro a última página e leio.
- *eu de agora com cara de apavorade*
- Você é uma criança estranha, eu-de-11-anos !
- Valeu, velhaca. Por isso você conseguiu voltar no tempo, li o spoiler maior de A Máquina do Tempo e é por isso que você é assim... Mais estranha que eu.
- Ah, aliás! Você tinha razão ao pensar aquilo uns minutos atrás.
- Que vou gastar mais dinheiro com passagem de ônibus quando começar a trabalhar?
- Ah, isso também. Isso também.

A ideia aqui é convencer o eu-de-11-anos que me pertencia a saber procurar livros de forma mais rápida e fácil para não perder tempo. Como fazer isso sem consultar fucking manual algum?

Ficha catalográfica do livro.

Confiável?
Óbvio que não!
Acessível?
Na maioria das vezes sim.
Compreensível?
Possível. 

Vamos botar essa ideia no rolê da vida real.
O uso da ficha catalográfica era extremamente importante em bibliotecas devido o armazenamento delas em grandes armário de gavetas que a geração dos anos 90 pra baixo pegou para recuperar a informação. Nada de internet, nada de gerenciadores de software, apenas você, o armário de gavetas, a fichinha de papel datilografada conforme a necessidade - costumava ser um armário para assunto, autor e outro pra título.

A organização das bibliotecas também se dava nesse esquema.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

[bibliotequices] e por que não?!

Esse questionamento vem sendo meu mote desde agosto de 2013 em que assinei a papelada para retorno de graduação na digníssima universidade que não posso nomear. Já havia escrito sobre como os nãos podem atrapalhar a vida de estágio aqui nesse link.

Por que não deixar esse emprego sério, chatonildo, dentro de um cubículo de empresa de iniciativa privada com carinha de moderninha, mas concreto puro de exploração em sua execução? Por que não passar dificuldades, sair de casa, encarar vida solitária, ter um problema no miocárdio por conta de vírus invisível (paixonite agudis) e se livrar de uma crise ferrada de depressão? Por que não ser feliz?

Teve dia em que planejei meu funeral, mas sempre o por que não? me perseguia mais do que os pensamentos ruins.

Então fui lá fazer o por que não em outra graduação, porque sim, eu sabia que o ambiente acadêmico era meu lugar de pertencimento. O por que não me deu muitos presentes e me extraiu pedaços quando pipocavam. Aprendi mais com os por que não do que com as permissões silenciosas, as oportunidades de mudar as coisas aparecem bem no meio do caos, esse tumulto maravilhoso, meu favorito em todos os sentidos.

Loki abençoa bem quem segue o Caos. Firmão, hermanes!

O por que não inicial foi o de aliar e relacionar minha experiência na universidade particular dos Stormtroopers com essa inteiramente gratuita em que estou. O começo foi no modo mais intrusivo possível, falando mais nas aulas, inquirindo melhor meus professores, cobrando de quem era responsável por aquilo tudo ali funcionar, questionando Ranganathan e o mundo. O por que não me levou ao centro acadêmico.

O por que não me fez bater de frente com quem não queria que meus colegas se desenvolvessem como cidadãos plenos e críticos em um curso que forma gente assim quando tá lá no mercado de trabalho. O por que não me rendeu conversas de corredor, ali no cantinho e "vamos baixar a bola e aceitar as coisas como são" - o por que não me fez ficar 1 ano e meio em bibliotecas escolares, linha de frente, tendo a experiência do todo, e foi esse por que não que me moldou até agora.

Atuar como estagiário em escola pública não me era estranho, já havia feito estágio docência, projeto de extensão e dado aulas pingadas em diversas séries há anos atrás. Diferente da minha sede com a Biblioteconomia, na Letras eu fui com aquela sensação de culpado antes de ir pra guilhotina. Em cada sala que atendia ou aluno que lecionava, sentia que o por que não não era para ser usado tão assim na cara.

Pessoas não estão acostumadas em levar um e por que não? na cara. Ainda mais quando são pessoas que estão ali há anos fazendo o porque sim e não questiona. A dificuldade maior de se fazer essa pergunta é a consequência/Paradoxo de ter o porque sim e não questiona, mais o nutrir de emoções negativas no processo. Vai ter gente pra puxar nosso tapete, vai ter gente que vai descreditar e desvalorizar, vai ter erros, backlash, noites mal dormidas pela culpa também, por não ter feito o suficiente. Mas vai ter uma coisa muito legal que só quem é diretamente beneficiado pela pergunta (e a ousadia) vai saber: vai levar pra vida inteira.

Post grande, TL;DR como sempre, porque precisava escrever algo que consegui processar depois do evento sobre Empreendedorismo na UDEXQUI essa semana.

E POR QUE NÃO?!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

[bibliotequices] intervalinho sobre a tal da caridade no estágio obrigatório

Gente, uma coisinha que esquecem de plantar nos nossos coraçõezinhos biblioteconomisticos quando estamos na graduação, se for fazer estágio obrigatório, dê preferência pela biblioteca escolar ou comunitária da sua comunidade. Mesmo que não seja tua área, mesmo que você não goste de mexer com gente, se deixe ter essa experiência, preste mais atenção em como nossa profissão faz a total diferença onde a gente mora.

Não cai nas ideias que isso é "caridade", você tá ajudando quem algum dia vai pagar teu salário seja lá onde você estiver empregado, cê tá ajudando quem passou o mesmo aperto com falta de investimento em educação e cultura quando você era criança. Você tá fortalecendo um link tão forte que é provável gerar muita coisa bacana a partir da iniciativa. 

Faz por onde.

Biblioteconomia sem vivência em comunidade, sem conhecer gente, sem ajudar a galera se empoderar com a informação e cidadania, isso não é o que estamos lutando todo santo dia dentro de sala de aula.

Caridade biblioteconomistica é bambambam com 5 ou mais dígitos de salário no mês "doando" tempo pra descer do salto e subindo morro pra atender comunidade carente (o que é raro, sabe?).

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

[bibliotequices] não é educador e pronto!

[disclaimer: esse é um post velho, tava na fila e resolvi ressuscitar. Mas a discussão continua a mesma]

Adoro ouvir as argumentações nos corredores da Biblioteconomia. Mesmo quando as criaturas não são bibliotecários ou da área. A quantidade de pontos de exclamação ali extraído daria uma tese de doutorado das lindas. Pode apostar que vai, porque é de meu intento entender o motivo de uma maioria esmagadora aqui na UFSC achar que bibliotecário é coisa jurássica e deveríamos ser substituídos por cientistas da Informação ou engenheiros da produção.

(Ou mudar o termo "bibliotecário" para algo mais modernoso e chiqueroso - pessoalmente acho asqueroso, a garotada da filosofia da linguagem e antropologia sabe bem o que acontece quando você muda a nomenclatura de algo já existente, a rasura do ser ali contido - no caso a pessoa que adota aquele termo como seu - vaio ficar mais e mais complicada de se compreender quando forem buscar os princípios daquela coisa existir. Complicado? Imagine que pra entender o que é a essência da "coisa bibliotecária" tem que sair esfregando muito muito muito muuuuuuuuuuuito com alvejante, cloro, álcool 98%, tinner e depois usar um esmeril pra encontrar os fundilhos do que é ser bibliotecário. E ainda ter uma chance de uns 42% de ainda estar equivocado.)

Feedback construtivo: você está fazendo errado

Essa postagem será um daqueles exercícios de análise autocrítica sobre a impressão que nossos semelhantes deixam na quiançada com aquele discurso motivacional de que bibliotecário não deveriam praticar interdisciplinaridade entre as áreas.

O bichinho miserável vitoriano e extremamente crítico e tradicionalista que vive dentro de mim se contorceu em pleno horror ao ouvir em certa aula: "Quando você decide juntar pedagogia e Biblioteconomia, você está sujeitando o bibliotecário a uma posição inferior a que ele pertence."

Além disso houve um momento em que eu, no comando do serzinho miserável, me recusei a expressar opinião alguma após a fala, pois em minhas convicções PESSOAIS:

1) não há problema algum juntar licenciatura com Biblioteconomia já que pra estar lá na linha de frente da biblioteca escolar tem que rebolar pra suprir a demanda EDUCACIONAL PEDAGÓGICA daquele público em específico. Tipo, pelo menos se esforçar para saber o que raios a gurizada estuda?

2) posição inferior aonde, miguxis? Educação no Brasil já é uma tragédia grega com direito a 9 atos de puro sofrimento e angústia sem perspectivas de final feliz e ainda me fala que se juntar com a galera do magistério é se rebaixar na profissão?!

3) bibliotecário escolar não é educador. Como não monamu?! COMO FECKING NO?! Como podes me afirmar tal coisa quando uma criança em processo de alfabetização pega um livrinho ou gibi, leva pra casa, lê com a família ou sozinha como dá, ou mesmo faz isso ali na biblioteca e devolve o livro e diz que vai voltar porque quer pegar mais?

Só o fato de disponibilizar o acervo pro toquim de gente em formação já não é um ato EDUCATIVO?! O que raios tou fazendo então?! Qual foi a parte do processo de letramento e aquisição da linguagem que perdi nas aulas da Letras que dizia que ensinar alguém a ler e escrever era SEM PRATICAR A LEITURA E ESCRITA? É via osmose ?! Transmissão de saberes via córtex cerebral que nem na Matrix?!

Não, não ensinamos caligrafia, ortografia, morfologia, sintaxe, Gramática e esses trem da linguística pros pequeno, mas será que dá pra entender que esse montoeiro de livros empilhados aqui na estante de uma sala qualquer não faz sentido algum pra quiançada se não tem alguém ali pra organizar, recuperar informações para uso na sala de aula e o melhor dessa profissão: mostrar que o amontoado de livros é um passaporte grátis pra criança ser incluída socialmente no sistema escolar e na sociedade? Que ela tem TODO O DIREITO de se apropriar desse espaço? Que eu que estou trabalhando ali tenho o DEVER de prover que ela tenha esse direito garantido da melhor maneira possível?

Então bibliotecário escolar É SIM educador, querendo você e todo esse preconceito dizendo que não.

Não com o mesmo alcance do professor que se dispõe de outras ferramentas cognitivas e mecânicas para fazer o mesmo processo, mas conseguimos auxiliar em parte isso.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

[bibliotequices] paranoia de primeiro mundo

Enquanto aqui nas terras tupiniquins estamos lutando bravamente pelo direito de ter bibliotecas escolares em todas as escolas com profissional bibliotecário em seu lugar (Lei federal 12.244 garante isso até 2020) e levantando forças pra manter as Bibliotecas Parque abertas para atender as comunidades mais carentes de nosso país, na terra do tio Sam a preocupação são outras:

1) FBI dando guidelines (Ou manual de instruções) para escolas de ensino fundamental sobre conter potenciais terroristas/extremistas juniores (tem lista de idades dos últimos atiradores em lugares públicos e guess what? Adolescência efervescente!) - podem estar infiltrados nas bibliotecas, lendo alguma literatura considerada subversiva ou de cunho nada feliz (imagino o quê deve estar nessa lista)

2) paranoia imensa da administração Trump tocar um f***-se na sagrada liberdade de expressão e sair catando tudo quanto é dado de usuários da rede de bibliotecas para uso indevido (literalmente uma caça as bruxas) - tão chamando isso de #Trumpageddon, algo como Armageddon do Trump. Medidas drásticas de bibliotecas de renome? Transferir toda a database pra outros países, como o Canadá. Ou apagar os registros, tudinho, pronto, benza Maria.

3) como as corporações e suas doações podem estar (Hahahahahahahahahahahahahahahaha) manipulando bibliotecas e bibliotecários a entrarem em um ciclo vicioso de contenção de informação ao decidirem o que vai pro acervo ou não. (insira mais risadas aqui)

E gente achando que temos que inovar que nem os yankees. Que pensa que estar no mesmo patamar deles vai ser a revolução no cenário da Ciência da Informação, no avanço das bibliotecas e unidades de informação. Gente que segue tão cegamente aos gurus americanos do marketing, gestão e empreendimento pra tentar enfiar a forma na prática brasileira ou latino-americana e servir um bolo pronto recheado de incríveis cenários de modernidade, infraestrutura e consolidação ideológica globalizada. É bem lindo isso.

Eu leio esses trem e a única coisa que me vem na cabeça é: venda descarada de discurso de ódio.
E o modo mais fácil de se conseguir isso é injetando em lugares que já se estabeleceram como referência para a sociedade. Bibliotecas são importantes na Educação dos norte-americanos, isso é um fato desde muito tempo.

O que o terrorismo ideológico causa nos EUA é o que a gente aqui no Brasil tem de menos. Bibliotecas não tem importância, não fazem parte do pilar educativo de nossa nação.

E aí vai a questão: mesmo com recursos, visibilidade, profissionais qualificados, universidades cooperativas, informatização de acervos, cultura do "Informação é para todos!!", será que aqui no Brasil estaríamos nesse caos paranoico como lá fora?

Isso dá pra se repensar bastante no pra que servimos aqui nesse cenário de bibliotecas decadentes, qual nossa função primária na sociedade, pra quem estamos servindo, pra onde queremos ir.

Entre deixar uma biblioteca nos trinques, qualidade de primeiro mundo, pra cair nessa paranoia f***** ou manter nesse ritmo em que estamos, fico com o atraso tecnológico primitivo.

Evoluir, pra mim, tá parecendo custar muito caro na consciência ética de uma nação.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

aconteceu!! os deuses estão vendo!!


Quando um tiquinho de gente chega e fala isso aí embaixo, todo o meu modo robótico autômato engenhoqueiro vai pro limbo cósmico: 

"Que chato esse tréco que você faz... Quando posso ir na  biblioteca pegar livro de novo?" 

E logo depois vem alguém que trabalha na própria biblioteca (e não tem formação na área):

"Trabalhar aqui não é fácil não! A gente faz de tudo um pouco e nunca tem tempo para fazer tudo. Eu pensei que ia ficar sossegada, mas não..."

Aí a única coisa que passa diante dos meus olhos é:


E aconteceu, eles perceberam que trabalhar em uma biblioteca escolar é sinônimo de TRABALHAR FEITO UM CONDENADO E AMAR CADA SEGUNDO DISSO!!

Palmas para essas criaturas magníficas que brilharam no meu dia. Em ênfase para o garotinho espevitado que disse a primeira frase e eu fui obrigada a concordar com ele: Aquele software de gerenciamento de acervos feito por um bando de T.I. sem noção de certa universidade católica de certo estado da região Sul é um porre, gente. Sério, pede arrego e vá endoidar com outras doooorgas, manolo.

Maaaaaaaaaaaaaas finalmente soube que o MARC tem uma lógica quando é para recuperação de informação (e não serve de powha nenhuma pra usuário final, ok?). Nice, pretty nice. Hoje vou conseguir dormir direito sabendo que pelo menos 2 pessoas perceberam que biblioteca não é bagunça, casa da Mãe Joana ou o lugar mais tranquilo da escola.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Bibliotequices: A GUERRA CIVIL DOS LIVROS DIDÁTICOS!!

Let the War begins!!
[Texto produzido por Lucas Mendes, graduando de Biblioteconomia – Gestão da Informação na UDESC]

GUERRA CIVIL: PRÓ-LD’s VS. ANTI-LD’s
(titulo provisório zoeristico)

Depois de 6 meses nessa indústria vital da iniciação científica em Biblioteconomia, com uma pesquisa mais especificamente em livro didáticos (Titulo da pesquisa: Bibliotecas Escolares e Acervos: Possibilidades de Fontes, História e Memórias), eis que me deparo, mais especificamente no Painel de Biblioteconomia de 2015 já comentado aqui no blog pela Morgado, com uma discussão bem calorosa com a mesma. 

No segundo dia do evento eu e a Bruna discutimos por quase uma hora sobre prós e contras dos livros didáticos. Depois de refletir um pouco sobre isso tudo, tive a ideia de escrever esse singelo texto com minha opinião sobre o assunto, então coloquem os cintos que irei expor outro lado dos livros didáticos além do espaço que ele ocupa nas prateleiras das bibliotecas escolares.

Particularmente vejo o LD (livro didático) como um instrumento social do que realmente só um peso de papel no acervo. Acredito que os LDs igualam os estudantes de escola pública com os de escola privada (como reforçado pela minha chefinha com a qual me guiou por esse mundão do mercado editorial e social do LD), logo eles representam um ponto de igualdade, que claro não acredito ser o suficiente, pois muita gente tem o LD, mas não tem biblioteca ou professores suficientes em suas escolas. E em muitos casos o livro didático tem quase o papel de uma biblioteca móvel, já que o formato atual de LD trás poemas, contos, imagens, textos de referência, indicações de leituras. 

Com o crescimento do Ebook didático (não sei se esse termo realmente existe, mas uso ele para falar do LD digital) essas ferramentas se desenvolveram e até irão desenvolver outros formatos, possibilitando até a Social Reading (na qual acredito amplificar o ensino de toda nossa criançada).

Vale destacar que o Brasil compra através do PNLD (Plano Nacional dos Livros Didáticos) muito livro didático para as escolas públicas, e isso representa 35% de unidades vendidas no mercado editorial brasileiro (Fonte: Snel jul. 2012), e no caso dos Ebooks didáticos, ainda é um mercado em crescimento, já existem algumas escolas particulares usando (Essa matéria aqui fala um pouco disso) e a FNDE (Funda nacional de desenvolvimento da educação) por exemplo, já “obriga” as editoras a publicarem os LD em formato digital. O governo já iniciou a distribuição dos ebooks em algumas escolas nesse ano (ver aqui)

Os Ebooks digitais resolveriam o famigerado problema de espaço das bibliotecas escolares, mas acredito eu que eles são importantes obras de referências e que merecem um lugarzinho na estante, não em quantidade exagerada como acontece na realidade.

A biblioteca escolar, querendo ou não ganhou mais uma atribuição, que é a de guardar e distribuir os LD, e acho que não seja realmente um problema, desde que seja uma atividade apoiada pela secretaria da escola, já que pode ser uma dor de cabeça. Tem uma galerinha do barulho lá de Minas gerais que desenvolveu um software de gestão de livros didáticos, o i10 (chequem o projeto dessa empresa, e os outros também que são um amorzim), e que já fizeram vários testes e parece estar funcionando muito bem, eles conseguem fazer a distribuição dos em livros em um curto espaço do tempo, e recuperar grande parte dos livros ao final do ano (porque eles tem vida útil de 3 a 4 anos, são renovados por causa de atualização e afins).

Não quero me alongar, porque talvez um dia eu e a Morgado possamos discutir estilo filósofos gregos, só que sem precisar de cartas quando temos Twitter e Facebook. Fecho com o meu pensamento muito mais sentimental do que prático. Vale cuidar desses pestinhas espaçosos, porque eles têm mais importância social e econômica do que realmente prática (no sentido do espaço, já que a educação fica muito mais prática com a ajuda dos LD, mas isso abriria uma outra discussão no cunho da educação). 

Posso morder minha língua, pois ainda não estagiei em biblioteca escolar, mas defendo sim o LD e sua grande importância de fonte de pesquisa escolar e acadêmica.


sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

bibliotequices: dando tchau, tchau, tchau

Assim como a musiquinha grudenta da Vovó Mafalda, estou dando tchau para essa biblioteca linda onde me firmei como pessoa biblioteconômica (???). Não, não irei viajar porque isso é coisa de bibliotecárix ryyyyyyycxxxxh e famozxxxxx, então resolvi gravar um vídeo sobre a despedida.

Para aqueles que estão tentando entender o que quero dizer, é porque faz cerca de 2 dias que não durmo direito, logo o discurso tá meio fuén-fuén balão furado: 


Ano que vem estarei em outra escola da Rede Municipal, por mais 6 meses e a notícia não me deixou muito bem durante esses dias. Sim, eu sei, a oportunidade é ótima, novos ares, coisas novas, mas mesmo assim eu e mudanças? Não nos adaptamos bem de cara.

Agradecendo à escola que me acolheu tão lindamente desde o começo, por entenderem que dar voz aos alunos é bem mais importante que seguir o status quo, que tudo se resolve no diálogo, que as peculiaridades são preciosidades e que colocar um violão com cordas na hora do recreio faz milagres com alunos bagunceiros. 

No resumão? Sei lá o que tou sentindo, mas aqui vai ser o meu marco inicial de toda a bagagem que vou levar pro resto da minha vida nessa carreira.

Há o problema do workaholismo também. Fiquei parada por muito tempo no começo do ano por conta da perna, meu ritmo de trabalhar foi quebrado justamente quando tava começando a produzir bem e aí houve o trem da dedetização que parou por quase 2 semanas e bem... Eis o motivo de não conseguir dormir direito!

Final do ano sei que estarei uma pilha básica de produção e vou ter que direcionar pra algum lugar - e não vai ser para o acadêmico pelo jeito.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

quando eu me sinto quando - tenho que me desapegar da biblioteca onde estagio

Mais 9 dias de estágio após o cataclisma insetóide, e a única reação até o momento é:

No caso, sem livros pra ninguém.

Aí penso em todas as possibilidades que poderiam ter sido feitas para evitar a catástrofe (e como vai ser no ano que vem):



Aí lembro que não estarei mais aqui na escola fazendo bibliotequices para a quiançada estudar melhor:

Substitua "cookies" por "chances"

E a quiançada que tem pique pra vir aqui querendo pegar livro:

"Mas tia, eu PRECISO ler livros!!" - alguns alegam

Mas preciso dizer que não dá mais e que o "probleminha" da dedetização continua:



Aí quando saio da biblioteca, dentro do busão fico assim:

Mais outro número de TCE na SME pelo jeito

Mas no final do dia, é mais ou menos assim:

Ou menos um dia para a dor de cotovelo intensificar

Bônus para o feeling no final da noite, sentada na cama antes de dormir:

Powha, deveria ter me desapegado daqui antes... 

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

bibliotecárixs das quebrada, morô?


Yo mano! Yeah ax mina! Os esquema aqui nax quebrada das biblioteca é tenso, duuuuuuude. A v1d4 L0k4 me escolheu, tou fazendo o possível pra dar iniciativa pros chegado mandar a ver nas leituras e coisa e tal.


Pá-pum, sacas?

L0k1 me abençoa, cê já conhece o refrão. Peço pro deus da Trapaça e do Lolz segurar a minha mão. Quando camarada folga comigo, a coisa chia que nem bule no fogão.

Cerrrrrto mano?! Cerrrrrto.

Só que tem alguns que acham que sou macaquinha novinha de galho verdinho, neaw? O que se deve fazer na hora? Improvisation.

Postagem básica sobre a vida de projeto de bibliotecária que às vezes precisa ter o famoso jogo de cintura (All the nation, do the rebolation!) para lidar com as diferenças sócio-históricas, culturais e de visão da sociedade que os nossos queridos estudantes têm.

A.k.a. o que fazer quando um usuário de biblioteca escolar informa de forma ativa que é membro de uma gangue.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

o terror da leitura de estantes

Esse é o usuário que eu costumo lidar
[EDITADO: E hoje não teve jeito, vou ter que fazer a bendita da leitura (18/09/2015)]

Tudo começa com uma pesquisa estranha de um estudante que está sendo bem sério quanto ao seu pedido:

" - Quede o livro que eu pedi outro dia?"

Eu, em minha memória seletiva apenas para coisas aleatórias (Abençoa Loki nos esquemas), devolvo a pergunta pro pequeno:

" - Você se lembra como era o livro? A capa, a história?"

O tiquinho de gente cruza os braços e aponta para um lugar específico na estante onde o livro deveria estar. Um livro preto, com letras amarelas bem forte que contava a vida de um passarinho e quase não tinha letras. As informações passadas pelo menino ajuda no filtro aqui, dá até para jogar no Google e tentar a sorte!

Então após perder metade do horário de visitação do pequeno procurando o livro, me dou por vencida, pergunto se ele não gostaria de pegar outro livro e que irei com certeza ir atrás do bendito. Isso virou uma questão de honra!

Uma lenda muito propagada nas bibliotecas escolares é que os nossos usuários não sabem o que querem. O que mais recebo de perguntas aqui no balcão é sobre características de livros ou seus assuntos. Eles sabem o que quer, apenas não colocam nome naquilo que querem.

(Maaaaahoooooiêêêêêêê serviço de referência, fuén-fuén)

Diferentemente do público adulto pesquisador - que vai te enrolar até dizer chega com o tópico a ser estudado, pois nem eles mesmos sabem o que querem da vida - o público escolar juvenil tem uma avidez na hora de cavucar as estantes. Chega a ser excruciante essa recuperação de informação no modo antigo, demorado e cheio de becos sem saída. O livro preto de letras amarelas sobre a história do passarinho não foi encontrado até agora, mas tenho certeza que já o vi percorrendo as estantes do infantil...

A habilidade inerente ax bibliotecárix - memória eidética - me foi conquistada com a quantidade de livros que eu tinha que decorar dentro da biblioteca do Silvio Lobo, agora aqui, se tornou uma questão de vida ou morte. Ou leitor ou não-leitor.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Aula de ética

Deu pane. 
Tilt
Parou com a moto na BR.


Assunto da noite era sobre sistema de multas em bibliotecas e não consigo imaginar como isso pode ser feito sem causar danos colaterais. Mas acabou se desdobrando em outros devido a proibição de tal prática onde estagio (Não há nem razão para ter isso).

Aí fomos para dano de patrimônio.

Sempre aviso aos estudantes quais são as consequências de atrasar ou perder um livro, mesmo quando eles não estão em débito. Tento repassar a noção de que se um livro some do acervo, não tem como recuperar tão cedo (ou talvez nunca devido a falta ou pouca verba que vem pra aquisição), outros estudantes também querem ler o livro, responsabilidade social e tudo mais. Sharing is caring, mas às vezes botar os miolos na bancada do bom senso ajuda a criatura refletir.

Um livro ficou sumido por quase 3 semanas - devido a esperteza sem noção de um estudante fominha que escondeu o livro na estante em lugar acessível apenas ao subir em uma cadeira e vasculhar - e um frequente usuário que queria o bendito livro há muito tempo questionou o porquê as pessoas fazerem isso.

Uma outra mocinha pegou um livro todo rabiscado nas últimas páginas, e caneta e sem dó alguma, também me questionou o porquê disso.

Tenho duas respostas:
Como Bruna e como bibliotecária em produção.

Bruna: pessoas são babacas com aquilo que não pertencem a elas. Lição para a vida toda? Vai ser assim em qualquer instância da sua vida pro resto de seus dias, sem brincadeira. Ps: posso ou não desejar uma dor de barriga para a pessoa que faz isso por sacanagem.


A bibliotecária em produção? 
Às vezes há usuários que fazem isso, o máximo que posso fazer é reter o livro para reparos e perguntar se o camarada tá de bem com a vida, porque riscar a última página de um livro até rasgar o papel me sinaliza que você está com problemas (de saber conservar propriedade comum à todos ou de gerenciamento de raiva).


Não vou espernear, nem implicar, usuário é usuário, assim gente como a gente, reeducar marmanjo pra não danificar os livros que ficam na posse dele é minha tarefa.

Sinceramente?
Questões éticas na Biblioteconomia são o ar que eu respiro.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

CLUBE DA LEITURA: a gente catarinense em foco



Pessoal da DEBEC (Departamento de Bibliotecas Escolares da Prefeitura de Florianópolis) tá que tá!

Primeiro a presença da equipe lá no Seminário Regional em Bibliotecas Escolares e Públicas e agora uma socialização bacana com estagiários e bibliotecários.





Eu tava esperando isso por um bom tempo, saber quem, como, quando e onde posso recorrer quando o meu estágio estiver perto de acabar. Sendo sincera? Nesse caso sou extremamente mercenarista, eu gosto do que faço, sei muito bem onde quero estar trabalhando, logo fazer contatos e saber quem assina meu contracheque é um direito meu. Quero mutio continuar nessa estranha tortuosa e cheia de crianças falando alto, enquanto bagunçam as estantes, ficam maravilhadas com coisas novas vistas nos livros e revistas e explicam o porquê gostaram de tal livrinho com um cintilar no olhar que faz valer tudo a pena.

Esse mês anda sendo o mês das bibliotecas públicas e escolares, tou gostando de ver povo da Biblioteconomia.
Mee likes vairy muchly much.
$(function(){$.fn.scrollToTop=function(){$(this).hide().removeAttr("href");if($(window).scrollTop()!="0"){$(this).fadeIn("slow")}var scrollDiv=$(this);$(window).scroll(function(){if($(window).scrollTop()=="0"){$(scrollDiv).fadeOut("slow")}else{$(scrollDiv).fadeIn("slow")}});$(this).click(function(){$("html, body").animate({scrollTop:0},"slow")})}}); $(function() { $("#toTop").scrollToTop(); });