Pesquisando

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

[poesias nonsense] trabalho não nos dignifica, nos autentica

O que seria de nós metros de músculo,
nervo, ossos e sinapses, embalados em quilômetro de pele rasa,
eriça, fraca, falha em poucos segundos destroçada
sem o menor esforço...?

Faço das minhas palavras as últimas a ouvir,
tampem os ouvidos se assim querer,
querido eu,
antes eu,
anteriormente eu,
cúmplice eu.

"Aprenda com os erros dos outros,
aperfeiçoe onde não acertaram,
conserte isso e aquilo!",

O simples clamor do labor a cada segundo de uma vida erroneamente eterna quando se coloca coração demais no trabalho e pouco onde ele acha que pertence - e é sempre onde os Outros acham que deve pertencer.
O trabalho não nos dignifica, nos autentica.

Como um preço de supermercado,
estampado em nossas testas,
prontos para sermos consumidos,
o valor de cada troca é diretamente proporcional
ao esforço exigido,
tantos esforços por tantas etiquetas,
olhe só isso,
hoje,
meu amigo terreno,
hoje estou em promoção.