Pesquisando

sábado, 11 de março de 2017

[interlúdio] pune e ação

A semana foi estafante. 
Engolindo vários anfíbios. 
Tensão de coisas não resolvidas. 
Expectativas de coisas realizadas. 
Ansiedade, minha amiga, sempre presente.


Vim dormir no sofá. O desconfortável sofá. 
Ação punitiva para delito menor meu, pensar demais, culpando o corpo demais, achando que a redenção é amargar o tecido vivo pro intelectual calar a boca.
Uma atitude bem barroca nos moldes do "peco o dia inteiro pra de noite rezar fervorosamente pra ter redenção".


O sofá é rude. 
Minha cama, meu lugar favorito por vários motivos, fica em terceiro plano.

Aqui no sofá deito, sem pestanejar quanto ao envolvimento em querer punir meu corpo ativo. 
Deixar essa máquina inquieta virar submissa. 
Ter controle de novo, através da dor, nem que seja mínima, da torturinha de dormir em local inadequado (hello busão my old friend) e sofrer por alguns dias de desconjuntamento dos ossos e músculos.

No sofá tenho pesadelos.

Não é novidade que os tenho (na cama ou não), estão comigo desde sempre, mas no sofá é o novo elemento. O pesadelo que deveria ser o aprendizado, me alerta de uma coisa: ao me punir para diminuir minha ação, estou literalmente fazendo o que mais morro de medo - me apagar.


O pesadelo é um recorrente, encontros aleatórios com pessoas que não devo ter mais contato pelo bem de minha Sanidade. Tudo ocorre como num script de cinema, as falas encaixadas, as situações corretas, a não ser por essa inquietante aflição que me acomete e me faz fazer o oposto do que eu faria no mundo tangível. Eu choro, esperneio, imploro, me arrasto, perco meus medos, destruo meu orgulho, me entrego sem problemas. Eu não tenho medo de sentir.

Esse é o pesadelo recorrente. 

O se deixar sentir - seja raiva, tristeza, paixão, decepção - maximiza a sensação nos sonhos. 
Lá me sinto menos culpa que aqui. 
Uma culpa que nem deveria existir. 
Uma vontade louca de escapismo que não posso fazer aqui. 
Os sonhos são coisinhas inconstantes fabricadas por anjos, certa banda folk já cantou. 

De anjos já me cansei e não os legitimo como meus protetores.
(Tem panteão melhor, sério. Mais qualificado e de confiabilidade comprovada)


A dor? 
Essa sim é real aqui também (e nos sonhos), ela me resguarda de muitas coisas. 
Ela me ensina mais. 
Ela gera inquietação que me movimenta mais. 
É a dor. Não outra coisa.

Queria parar de sonhar com você. Queria convencer meu cérebro que as lembranças contigo são uma ilusão delirante que tive em momento específico da vida. As expectativas do futuro eram só fabricadas. Não lembro mais da sua voz. Ou da cor dos teus olhos. Não me recordo mais se você tem o toque quente, as mãos suaves, o sorriso esmagador. 
Eu. 
Não. 
Me. 
Lembro.


E acordar com a dor pune e ativa no sofá me lembra que isso era quem eu era e não quem deveria ser. Hoje fico com a dor nas costas, a sonolência, mas com mais certeza de que tudo que era pra ser foi em vão. Ou não era para acontecer mesmo. Nada dura pra sempre mesmo.
Isso me anima. 

Mas ter pesadelos no sofá não.