Pesquisando

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

breve momento de interlúdio entre uma visita e outra

Uma das coisinhas que venho percebendo quando vou visitar minha mãe ou ela vem aqui para me visitar são as meia-palavras que costumam morrer quando nós constatamos algo. Desta vez, durante a visitinha básica dela ao meu cafofo aqui perto do Mar, ela perguntou se eu estava feliz.

A resposta é claro, foi uma mentira.

Não deslavada ou total cheia de detalhes, apenas disse que estava e muita coisa tava para melhorar. Afinal de contas, essa é a grande sacada de todo o ser humano, nunca saber o que responder quando vem essa pergunta. Para variar, repliquei a pergunta para ela e recebi um bonito: "Criei vocês, vocês são adultas, estou feliz porque tenho vocês por perto." - de certa forma ainda me emociono quando minha mãe fala sobre esse apego maternal sobre a gente, mas me preocupa o tanto que isso pode afetar ela e a nós duas.

Uma outra pergunta que surgiu foi: "Minha filha, você não pensa em viajar não? Conhecer outros lugares?" e a minha cara de WTF? foi legítima, porque ela começou a rir. Acho que depois de tantas mudanças de casa, cidade e Estado, ela só poderia estar brincando, né? Mas foi genuína a pergunta, ela queria saber se eu estava satisfeita morando aqui (Na verdade, se analisar bem, ela tava perguntando de novo se eu tava realmente feliz). Minha resposta saiu sem querer: "Vontade tenho sim, mas preciso me encontrar 1º antes de me perder por aí..."

A conversa parou por ali, porque não havia muito a ser discutido. E acho que acabei dando a resposta da 1ª pergunta a ela sem perceber.