Pesquisando

sábado, 14 de janeiro de 2012

World of Warcraft: Asas das Sombras & Mago.

[originalmente postado em 17/04/11 17:23]

Lançamentos da Online Editora – que seilá que site é esse que não me deixa ver os outros lançamentos e me deixar comprar oO’ – para a linha World of Warcraft: Mago e Asas das Sombras.

Os dois são feitos pela dupla Richard A. Knaak e Ryo Kawakami – conhecidos da Trilogia do Sol e dos comics lançados pela Panini no ano retrasado – com histórias do mundo mais legal de MMORPG que já presenciei em minha vida nerd. O ponto de convergência dos dois mangás é a fúria dos Dragões Azuis vista no patch lançado antes de Fall of the Lich King – se não me engano era a instance do Malygos/Malygnos que todo mundo gostava de fazer no server.








 Em Asas das Sombras – o primeiro título aqui no Brasil – traz alguns personagens que já conhecemos d’A Trilogia do Sol, a dragoa Tyrygosa e o humano paladino Jorad Mace. História morna, com algumas coisinhas que eu adoraria saber sobre a Aliança – por exemplo, qual é a diferença dos space goats com os outros space goats lá do Illidan? Que raios eles fizeram que os orcs vermelhos ficaram verdes? Por que os dragões azuis estão tão pissed off com todo mundo?!

Esclarecedor em partes, confuso em outros. Tyrygosa vai atrás do grande mistério do seu clã – ela faz parte da revoada dos Dragões Azuis de Malygos e Sindragosa – e da loucura que assola seus irmãos de ovo. Tudo vai indo bem, vemos que ela é uma dragoa jovem muito poderosa para se deixar levar pelas falhas humanas – diga-se Jorad Mace, FAIL Palada intransigente – mas acaba sofrendo uma emboscada de space goats bizarros que jamais vi lá no Shadowmoon Valley.

Resumo da história? Prenúncio para Cataclysm, já que a revoada de Deathwing – ou Asa Letal como preferir – já está juntando seus caquinhos e se reproduzindo por aí para um novo ataque. Junta isso e uma certa fúria insana que a menina-dragoa está começando a experimentar. Hmmmmm algo me diz que a loucura de Malygos atingiu todos de sua espécie.




Já em Mago – e que peguei sem ver o interior por ter um praticante Mage na capa – a história se centraliza naquela famosa briga que teve entre Dalaran e a revoada de Malygos – agora sim estamos entendendo que raios eles atacaram Dalaran e porque tem aquela quest babaquinha de sair catando a revoada azul na porrada e todo o plano do Wyrmrest Council e lalalalala… Como a Lady Annie falaria: “Tia Alex não vai lá muito com a nossa cara e de o resto também, hmmmpft! ¬¬

Magos em Dalaran, gosto de zombar deles. Eles são meus chegados, eles fizeram as coisas mais idiotas possíveis em Azeroth e continuam achando que estão abafando. (Okaaaaaaay Soreninha de J-sus saia desse corpo que não te pertence mais!!) Vemos o quanto Rhonin – consorte hahahaha da Veressão – fez o impossível para proteger Dalaran original durante a invasão da Scourge em Lordaeron – lembra da cratera enorme lá debaixo daquelas fazendas cheias de zumbis? E a bolha rosa pink neon? E a porcaria da quest de achar o Forsaken perdido nas montanhas ao redor?

Bem, tio Rhonin fez o impossível – remover a cidade de Dalaran INTEIRA com a ajuda dos Magos da Ordem lalala lá deles e transportar para Northrend achando que iriam estar a salvo. Ao que tudo indica, a insanidade de Malygos chegou ao limite do aceitável no plot ao ver esse “abuso” de magia arcana usada pelos Magos de Dalaran – isso e ter a esposa amada e milenar morta e ressuscitada como uma lich por Arthas também conta como perda de pontos de sanidade na ficha dele.

Agora me dêem licença porque uma certa warlock café-com-leite está querendo rir histéricamente disso.
*insira gargalhadas fatais aqui*

Estranhamente eles falam de TUDO que ocorreu em Dalaran desde a “mudança de ares” e como a Magia Arcana foi estudada pela galera, mas ESQUECERAM de mencionar duas coisas super importantes no enredo:

1 – Que Rhonin é consorte da Vereesa Windrunner;
2 – Que Kel’Thuzad (Iiiiiiiice Creeeam!! Illidan, it’s your mother…) FAZIA parte da junta de Magos que ferraram com tudo. E parte da culpa ali é dele…

A prisão de Dalaran, Violet Hold, está lá, tudo em seus detalhinhos fofos, meeeeeeeenos os bosses que a gente tem que matar por lá, mas havia um rikezinho por lá perseguindo o protagonista. Saudades daquele tempo… Mas voltando a história principal, acabei esquecendo…

Aodhan é o tipico protótipo de mago em Azeroth, cresceu em uma família conhecida por só produzir guerreiros e paladinos audazes, mas ele preferia ler livros, mexer com magia e se vestir de preto – tá, isso ele não fazia, mas era de roxo… Que nem aquele set ridículo que os magos usam quando se toma o Underbelly’s Elixir? HAHAHAHAHA!!! – já sabemos onde isso vai dar. Jovem, ingênuo, muito poderoso para sua idade e capacidade, manipulado por forças desconhecidas dentro da família… Já adianto que foi puro FAIL:

1 – Porque ele era humano;
2 – Porque além de humano, ele era de uma família de caras chatos que supervalorizavam paladinos e gente que leva porrada no nosso lugar;
3 – Humano, rejeitado, praticante de magia arcana, treinado desde cedo em Dalaran? Quer coisa mais FAIL que isso?

Aí tudo muda quando vemos o ponto de vista da Revoada Azul, siiiiiiiiiim!! Eles aparecem e botam Dalaran no chão – ahn… não no chão, mas destrói tudo praticamente – e dão uma justificativa ótima para o ataque: “Mexeram com o equilíbrio da Magia em Azeroth?! Já não bastava o chato do Deathwing fazer e isso e vocês inventam de levantar uma cidade inteira com magia e continuam usando ela abusivamente? Bora raid nocêis, pobres mortais!

A loucura em si é justificada. Eles são os guardiães da Magia em Azeroth, proteger o equilíbrio é o trabalho deles, aí chega um bando de primatas e bagunçam tudo e ainda acham que tão com razão? Bora raid neles, Malygos. Eu ajudo. Me dê um guaxinim mecânico, uma maçaneta e um tubo de supercola goblin 3000 e isso estará resolvido!! Só não meeeeeeexe com a minha tia do tamanco, ela pode ser uma bitch em tempo integral, mas poupe-a de mais tragédias… *snif snif*

Conversa vai, conversa vem, o tio de Aodhan é um servidor de Malygos e planejou a destruição da cidade toda. Nhé? Nhé, isso mesmo. Um cara só quase consegue fazer o que trocentos dragões azuis não conseguiram. Isso é revoltante até o momento, mas já que querem que o bode expiatório seja um megalomaníaco que gosta de chantagear a família, tudo bem… Quem disse que os meios corretos é que dão certo nos finais felizes…?

Okaaaaaay, Soreninha da Silva Santos, isso não é bom de se falar…

O arquimago Sunreaver apareeeeeece e eu fiquei tão feliz por ver um belf naquelas páginas… É dificil ver um fazendo algo de interessante – ele estava dps para o povo e catando uns doguinhos caçadores de magos no sopapo – mas nenhum personagem assim especial apareceu. Rhonin, Modera (Que não me lembro como NPC) Aethas Sunreaver. Cadê o resto? E a Underbelly? E os mercadores? E se estamos falando de Dalaran e tudo mais, cadê a Jaina Proudwhore que sempre corre pra lá quando a coisa esquenta? Alguma coisa faltou naquele enredo, mas algo me diz que esse algo era só para se centrar na vidinha do mago noobie humano Aodhan e sua honra. Tudo bem, tudo bem… A gente aceita…

Mas que foi legal ver Dalaran quase indo pro saco, isso foi legal…

O final todo mundo já sabe: Depois disso, Dalaran faz parceria com o Wyrmrest Council pra parar o Malygos na BR e dar com o tamanco na moto dele. E assim começa a pior besteira causada por humanos desde… ahn… ter dado a luz a Arthas Menethil, creio eu…

Os dois títulos são bons para explorar mais o lado Alliance de WoW, mas não espere grandes revelações estupendas para a cronologia de Azeroth – a não ser que o Underbelly’s Elixir não era uma mentira, TODOS os magos contidos nesse mangá usavam aquele set beeeesha gliteroso azul/roxo. E que magos noobies podem usar Levitate. Dessa eu NÃO sabia!!

(Esse post foi terrivelmente influenciado por uma certa warlock de alinhamento caótico neutro)